UAI
BOM NEGÓCIO

Nissan Tiida: 10 motivos para comprar ou não o hatch médio

Modelo é opção para quem gosta de hatch e precisa de um carro espaçoso e relativamente equipado

Publicidade
SIGA NO google-news-logo
O estilo do hatch médio da marca japonesa não é o ponto forte
O estilo do hatch médio da marca japonesa não é o ponto forte Fotos: Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press

Atualmente, a Nissan tem um portfólio enxuto no Brasil, mas nem sempre foi assim. Nos anos 2000, a marca japonesa tinha uma diversidade de modelos de automóveis nas suas concessionárias, inclusive minivans e hatchbacks médios. O Nissan Tiida era um deles e reunia um pouco das duas categorias.

O carro era uma alternativa para quem é fã de marca japonesa em um segmento em que as fabricantes como Honda e Toyota nem colocavam as rodas. O Nissan Tiida então aproveitou essa lacuna e deixou seu recado nos seis anos em que esteve à venda. Hoje, no mercado de usados é sugestão para quem gosta de hatch espaçoso.

Nissan Tiida SL 1.8 Flex modelo 2010 vermelho estático de lateral no asfalto
O hatchback tem um desenho de carroceria que lembra uma minivan Foto: Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press

1 – Um pouco da trajetória do Nissan Tiida

Inspirado no conceito C-Note revelado em 2003, o Nissan Tiida foi lançado no Brasil no primeiro semestre de 2007. Importado do México, estreou com o motor 1.8 16V que o acompanhou por toda a sua trajetória no mercado brasileiro, e opções de câmbio manual ou automático.

Em 2009, esse conjunto virou flex e teve a potência levemente aumentada. Já 2010 marcou a primeira e única reestilização do Tiida, que deixou de ser vendido no Brasil em julho de 2013, diante de um segmento que já apresentava sinais de enfraquecimento.

Nissan Tiida SL 1.8 Flex modelo 2010 vermelho estático de traseira no asfalto
A traseira do modelo tem formas ligeiramente mais arredondadas Foto: Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press

2 – Concorrência pesada

No entanto, quando chegou, o Nissan Tiida foi participar de festa de gente grande e animada. Seus rivais eram modelos como Ford Focus, Hyundai i30, Volkswagen Golf, Citroën C4, Peugeot 307, Chevrolet Vectra GT e Fiat Bravo.

Mas tinha o bom argumento de ser o único hatch médio de marca japonesa a atuar no Brasil – Honda e Toyota há tempos concentravam esforços nos seus sedans fenômenos de venda. Desta forma, o Nissan Tiida teve vendas interessantes, ainda mais levando-se em consideração as limitações de volumes por ser importado – em 2012, teve quase 10 mil licenciamentos.

Nissan Tiida SL 1.8 Flex modelo 2010 vermelho estático interior painel e bancos dianteiros no asfalto
Motorista tem boa posição de dirigir, mas o acabamento interno é bem simples Foto: Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press

3 – O modelo ainda existe

O Brasil só conheceu a primeira geração do Nissan Tiida. Desde 2015, porém, o modelo está em sua terceira geração. Em mercados europeus é negociado como Pulsar. Já em países como China e Rússia, é vendido como Tiida.

4 – Como é o desempenho do Tiida?

O motor 1.8 é o mesmo desde a chegada do Nissan Tiida. A única diferença é que virou flex em 2009. Mas pouco mudou no desempenho. Os 126cv com etanol e 125cv, com gasolina, proporcionam arrancadas competentes e a caixa manual tem relações bem escalonadas, além de uma bela sexta marcha que funciona como overdrive. Cumpre o 0 a 100km/h abaixo dos 10 segundos.

Nissan Tiida SL 1.8 Flex modelo 2010 vermelho estático cofre do motor no asfalto
Na linha 2009 o motor 1.8 do Nissan Tiida passou s ser flex Foto: Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press

Com câmbio automático de quatro velocidades, o cenário muda um pouco. A transmissão entrega conforto, mas peca em precisão, especialmente em médias rotações, situações nas quais a transmissão fica um pouco claudicante em qual marcha engatar.

5 – Consumo não é dos melhores

Não é o ponto forte do Nissan Tiida flex. Veja as médias de consumo dos modelos com câmbio manual e automático.

Nissan Tiida 1.8 flex Manual

Consumo cidade etanol: 7km/l
Consumo cidade gasolina: 10,5km/l
Consumo estrada etanol: 8,7km/l
Consumo estrada gasolina: 12,9km/l

Nissan Tiida 1.8 flex Automático

Consumo cidade etanol: 6,9km/l
Consumo cidade gasolina: 10km/l
Consumo estrada etanol: 9,1km/l
Consumo estrada gasolina: 12,7km/l

6 - Espaço interno e conforto

Um dos grandes trunfos do Nissan Tiida é ser um hatch médio com uns trejeitos de minivan. Isso resulta em uma cabine otimizada, com boa posição de dirigir e banco traseiro corrediço que acomoda dois adultos e uma criança.

Nissan Tiida SL 1.8 Flex modelo 2010 vermelho estático interior banco traseiro no asfalto
O banco traseiro oferece bom espaço para as pernas dos passageiros Foto: Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press

A sensação de espaço é realçada pelo teto elevado. Ainda há o bom porta-malas de 289 litros (com o banco traseiro todo para a frente) e um acabamento interno simples, mas com fechamentos corretos. O isolamento acústico falha em velocidades elevadas e a suspensão se ressente do curso alto dos amortecedores.

Nissan Tiida SL 1.8 Flex modelo 2010 vermelho estático porta-malas
O porta-malas do Tiida tem capacidade volumétrica de 189 litros Foto: Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press

7 - Nossa dica de melhor versão

Indicamos o Nissan Tiida 2012, já com o face-lift e motor 1.8 flex. A versão SL com câmbio manual, tem preços entre R$ 28 mil e R$ 36 mil nos principais sites de compra e venda de automóveis (novembro/2023).

Entre os itens de série, uma relação interessante para a época: airbag duplo frontal, freios com ABS e EBD, ar-condicionado automático, bancos revestidos em couro, chave presencial para abertura das portas, teto solar, ajuste de altura do volante, rodas de liga leve e desembaçador, limpador e lavador do vidro traseiro.

Nissan Tiida SL 1.8 Flex modelo 2012 vermelho estático de frente na rampa da garagem
Modelo 2012 é a nossa dica de melhor safra do Nissan Tiida Foto: Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press

8 – Modelo teve carroceria sedan

O Nissan Tiida conviveu com a sua variante sedan no Brasil. Mas pareciam dois carros completamente diferentes no mercado. A começar pelo design traseiro do três volumes, para lá de sem graça e controverso.

O acabamento interno do Nissan Tiida Sedan também parecia ser inferior ao do hatch médio. Assim como a lista de equipamentos, já que, para não competir com o Sentra, a Nissan colocou o modelo para brigar com os compactos mais completinhos da época.

9 – Gastos com manutenção

O carro não tem uma manutenção tão simples quanto um hatch de entrada produzido aqui. Mas também não é nenhum bicho-papão. Veja os preços de alguns componentes do Nissan Tiida flex 2012.

  • Jogo com quatro pastilhas do freio dianteiro: de R$ 80 a R$ 140
  • Jogo com quatro velas de ignição: de R$ 100 a R$ 190
  • Bomba de combustível: de R$ 240 a R$ 350
  • Kit troca de óleo (5 litros 5W30 + filtro): de R$ 290 a R$ 380
  • Amortecedor traseiro: de R$ 420 a R$ 550 (par)
  • Para-choque traseiro: de R$ 650 a R$ 800
  • Farol direito: de R$ 340 a R$ 630

Nissan Tiida SL 1.8 Flex modelo 2010 vermelho estático roda de liga leve no asfalto
Rodas de liga leve são de série na versão SL do Nissan Tiida Foto: Marlos Ney Vidal/D.A Press

10 - Principais problemas do Nissan Tiida

São frequentes os relatos de problemas na caixa de direção do Nissan Tiida. Esta costuma apresentar folgas e trepidações excessivas. Muitos donos do hatch médio também reclamam dos freios do modelo. Desgaste precoce das pastilhas e discos que empenam são algumas das ocorrências mais comuns, além de relatos de fading.

Observe ainda a fixação de peças externas, como do defletor traseiro. As porcas costumam perder o poder de fixação com o tempo. Há ainda reclamações quanto a superaquecimento do motor.

É importante lembrar que os proprietários do Nissan Tiida foram convocados para uma campanha de recall para a troca do airbag do passageiro em modelos produzidos de 2007 a 2012.

Confira os vídeos do VRUM nos canais do YouTube e Dailymotion: lançamentos, testes e dicas