LÍDER DE VENDAS

Stellantis lidera novamente o mercado na América do Sul

Uma série de novos modelos do grupo é esperada para os próximos meses: Citroën C3, Fiat Pulse Abarth, Jeep Gladiator e também o aguardado Fiat Fastback

Fachada da Stellantis. Letras azuis em superficie metálica na frente de um prédio.
Foto: REUTERS/Roberta Cook

A Stellantis encerrou o primeiro semestre de 2022 na liderança do mercado de automóveis e comerciais leves na América do Sul, respondendo por 23,5% das vendas na região. O grupo liderou nos três maiores mercados sul-americanos: Brasil, Chile e Argentina.

No Brasil, o grupo emplacou 288 mil unidades, o equivalente a 33,6% do mercado. Na Argentina, a Stellantis superou as 65 mil unidades vendidas entre janeiro e junho, com uma participação de 33,7% das vendas totais no país. Outras 25 mil unidades foram vendidas no Chile, com uma participação de mercado de 11,1%. O mercado chileno cresceu 24% em comparação com o primeiro semestre de 2021 e se tornou o segundo da América do Sul, atrás apenas do Brasil.

O grupo multinacional formado pela união da montadora ítalo-americana Fiat Chrysler com a francesa PSA Group já planeja o lançamento de novos veículos para esse semestre. São eles: o novo Citroën C3, produzido em Porto Real (RJ); o Fiat Pulse Abarth, a versão esportiva do hatch com jeito aventureiro; a nova picape Jeep Gladiator, derivada do Jeep Wrangler; e o Fiat Fastback, SUV cupê que promete ser o principal lançamento da Fiat em 2022.

Carro azul em ambiente escuro. Uma luz vem de cima e o ilumina.
Novo Citroën C3 será lançado ainda neste semestre, depois de longa espera

A Stellantis no Brasil

No topo do ranking brasileiro de vendas, a Fiat garantiu 21,9% de market share e mais de 187 mil emplacamentos no acumulado de janeiro a junho. A marca está na liderança há 18 meses consecutivos.  No acumulado do ano, a Fiat posicionou três modelos entre os 10 mais vendidos: Strada, Mobi e Toro. A picape Strada permanece como o veículo mais vendido no Brasil entre todas as marcas, com mais de 51 mil unidades emplacadas desde janeiro.

A Jeep garantiu a liderança no segmento de SUVs no acumulado do ano de 2022, com 20,7% de participação entre os utilitários-esportivos e 65,6 mil carros vendidos. O Jeep Compass está entre os 10 modelos mais vendidos no acumulado do ano, com mais de 31 mil unidades emplacadas.

Descentralização do parque industrial

Homem branco posa de braços cruzados para uma foto. Ele veste terno, tem o cabelo para trás e ao fundo se pode ver um carro azul.
Antonio Filosa, presidente da Stellantis para a América do Sul

Apesar da falta de componentes, o presidente da Stellantis para a América do Sul, Antonio Filosa, disse que é preciso descentralizar o parque industrial para que a rota de crescimento continue.

Em apresentação on-line, Antonio Filosa apontou suas perspectivas para manter os bons resultados: “Precisamos de mais produtos em nossas fábricas. E, para isso, temos que levar mais fornecedores para outras áreas do Brasil. Do setor industrial e de serviços, 65% estão concentrados no Sul e no Sudeste. Já demos um passo que foi a instalação de um fornecedor do sistema de infotainment do Citroën C4 em Manaus”. Assim, a expectativa do gestor internacional é que mais parceiros sejam atraídos a regiões como o Polo Automotivo Jeep em Goiânia, por exemplo.

Argentina e Chile

A Stellantis continua liderando o mercado argentino. No acumulado do ano, a empresa superou as 65 mil unidades vendidas, com 33,7% de participação de mercado. Entre os destaques no período, estão a liderança e vice do ranking de modelos mais vendidos, com o Fiat Cronos (22.549 unidades) e o Peugeot 208 (12.503 unidades). A produção do grupo na Argentina somou 72 mil unidades – um crescimento de 38% em relação ao primeiro semestre de 2021.

Com 25 mil unidades emplacadas de janeiro a junho, a Stellantis liderou as vendas no Chile, cujo mercado está em expansão. Dentre as marcas do grupo, Peugeot é a mais destacada no Chile, com 4,6% de participação de mercado, seguida por Ram, com 2%. As marcas DS e Alfa Romeo se destacam no segmento premium, com 6,4% e 1,2% de participação, respectivamente.