UAI
Fala, Boris!

Fraudes da Toyota: maior do mundo precisa cuidar de sua imagem

Recall do airbag da Takata, que inclui os Toyota Corolla e RAV4, está ainda mais perigoso porque agora a bolsa infla espontaneamente

Publicidade
SIGA NO google-news-logo
Vendas do Toyota Yaris Cross são suspensas
Vendas do Toyota Yaris Cross são suspensas Fotos: Toru Hanai/REUTERS

Não por acaso a Toyota é a maior fabricante de automóveis do mundo: ela oferece um inigualável padrão de qualidade e confiabilidade. Mas precisa cuidar melhor de sua imagem, que começa a perder brilho com uma quase inacreditável sucessão de fraudes e malfeitos praticadas por ela e suas subsidiárias, alguns envolvendo o Brasil.

Em 2010, por exemplo, vários carros da Toyota apresentaram um problema de aceleração espontânea. A fábrica negou o quanto pôde, mas, diante de dezenas de acidentes, decidiu reparar o projeto do acelerador, recall de 8,5 milhões de automóveis e pagou ao governo norte-americano uma multa de 1,2 bilhão de dólares. No Brasil, não reconheceu a aceleração espontânea do Corolla e só depois de ser proibida de vender o modelo pelo Ministério Público concordou com o recall.

Outra fraude com sua parceira Hino, fábrica de caminhões. Descobriu-se no ano passado que durante 20 anos (desde 2003) ela adulterava resultados de emissões e cerca de 60 mil unidades foram chamadas para recall.

Toyota fraudou crash-test e emissões

Mais recentemente, outras duas fraudes. A primeira envolvendo a Toyota e sua subsidiária Daihatsu, ao reforçar somente a carroceria de carros submetidos a crash-tests para serem homologados, antes de entrarem em produção. O flagra resultou na interrupção da produção de vários de seus modelos, inclusive o Toyota Yaris Cross, que tem lançamento marcado no Brasil até o final deste ano.

Outra, ainda mais recente, é a adulteração de resultados de testes de homologação em motores diesel (da Hilux e SW4) produzidos pela Toyota Industries Corporation.

'Marmita' do Corolla Cross

Toyota Corolla Cross
Corolla Cross e, em destaque, a 'marmita' do escapamento Foto: Toyota/Divulgação

Há dois anos, a Toyota do Brasil foi notificada pela Senacom (Secretaria Nacional do Consumidor), do Ministério de Justiça, a explicar a evidente falta de qualidade de uma pintura no silencioso do Corolla Cross. O equipamento foi extremamente criticado pelo mercado e imprensa no lançamento do veículo (além de outros desrespeitos do SUV ao consumidor brasileiro) por estar muito visível sob o para-choque. “Pior a emenda que o soneto”, pois ela resolve disfarçar o abafador pintando-o de preto fosco. Mas – inacreditavelmente - somente na metade traseira. E pior ainda, com uma tinta inadequada, que descascava em poucas semanas.

Várias fábricas de automóveis no mundo tiveram de fazer mais de 100 milhões de recalls de airbags da Takata pois, ao serem inflados num acidente, disparavam estilhaços de aço contra os ocupantes. Foram centenas de feridos, dezenas de mortos e a falência da Takata. Mas, no mês passado, um desdobramento do problema que – por enquanto - só atinge carros da Toyota e alguns Pontiac Vibe (da GM) produzidos entre 2003 e 2004: 50 mil unidades foram incluídas pelo NHTSA (órgão federal de segurança veicular nos EUA) num outro recall bem mais complicado e perigoso, pois os airbags agora estão se inflando espontaneamente, sem nenhum impacto. A Toyota alerta os donos dos carros envolvidos (inclusive Corolla e RAV4) que evitem dirigi-los e chame a concessionária, que os levará rebocados para a oficina. Técnicos e engenheiros imaginam que, com o passar dos anos, o envelhecimento do gás que infla a bolsa no caso de um impacto passa por uma combustão espontânea devido às variações de umidade e temperatura.

Cada tropeção da Toyota faz seu presidente mundial pedir desculpas publicamente: ele já o fez no Japão, EUA e China. Vai acabar tendo problema na coluna de tanto se curvar no palco.