UAI
BOM NEGÓCIO

Jeep Renegade turbodiesel: 10 fatos antes da compra do usado

SUV compacto é eficiente, tem motor robusto e tração 4x4 para quem quer um fora de estrada sem gastar muito

Publicidade
SIGA NO google-news-logo
O Jeep Renegade liderou o segmento de SUVs compactos por dois anos, mas agora enfrenta queda nas vendas
O Jeep Renegade liderou o segmento de SUVs compactos por dois anos, mas agora enfrenta queda nas vendas Foto: Enio Greco/EM/D.A Press

O Jeep Renegade foi um dos modelos que abriu a porteira dos SUVs compactos no mercado brasileiro. Lançado em 2015, chegou quase que junto com Honda HR-V e Peugeot 2008 para atazanar a vida do Ford EcoSport e do Renault Duster. Só que com um diferencial: o DNA fora de estrada da marca.

Produzido em Pernambuco, o Renegade se destacou pelo visual mais jipeiro, diferente dos crossovers com desenho bem mais comportado e urbano. Além disso, foi o primeiro e único do segmento a ter motor turbodiesel e capacidades off-road de fato, como trataremos a seguir. Veja agora 10 fatos sobre o Jeep Renegade turbodiesel.

Jeep Renegade Longitude AT 2.0 Diesel AT9 modelo 2018 2019 de frente estático no mato
Modelo 2018 com motor a diesel e tração 4x4 é boa opção de compra no mercado de usados Foto: Beto Novaes/EM/D.A Press

1 - Trajetória do Jeep Renegade turbodiesel

O SUV compacto surgiu pela primeira vez no Salão de Genebra de 2014. Baseado na arquitetura do 500X, foi o primeiro modelo da marca produzido na Itália – em tempos de Fiat Chrysler Automóveis (FCA). No Brasil, foi lançado em março de 2015, com duas opções de motorização e em meio às estreias de dois pretensos rivais: Honda HR-V e Peugeot 2008.

Além do conjunto com o motor 1.8 E.torQ flex aspirado, o Jeep Renegade chegou com a opção de propulsor turbodiesel, inédita no segmento de crossovers urbanos pequenos. Com este motor, o SUV tinha quatro versões, inclusive a mais jipeira de todas, a Trailhawk.

O design inspirado nos Willys dos anos 1940 também foi um dos destaques. Enquanto a maioria dos rivais têm estilo anguloso, o Renegade ostenta seu perfil quadradão como nos Jeep raiz. Por isso mesmo, todas as mudanças que sofreu foram bem discretas.

Jeep Renegade Longitude AT 2.0 Diesel AT9 modelo 2018 2019 de lateral estático no mato
O jipinho tem dimensões compactas, boa altura em relação ao solo e bons ângulos de entrada e saída Foto: Beto Novaes/EM/D.A Press

Em outubro de 2018, um pequeno face-lift. Os faróis redondos foram sutilmente elevados para mais próximo da linha do capô. Nas versões Limited e Trailhawk turbodiesel, o Jeep Renegade também passou a ter luzes full LED.

A reestilização mais significativa se deu em 2022. Grade um pouco mais estreita, para-choque redesenhado, faróis com contornos de LEDs, luzes de neblina retangulares e novas seções das lanternas traseiras, além de alterações na cabine, foram as principais mudanças.

Mas esta remodelação do Jeep Renegade, na verdade, marcou a despedida das versões turbodiesel. A Stellantis optou por ter como único conjunto mecânico na linha do SUV o novo propulsor turbo flex 1.3.

2 – Como é o desempenho do jipe compacto?

Com o motor turbodiesel, o Jeep Renegade é bem divertido e eficiente. Os 170cv do motor da família Multijet casam que é uma maravilha com o câmbio automático de nove marchas da ZF. O resultado: acelerações consistentes e bem dispostas, com o SUV chegando facilmente a velocidades altas.

Os 35,7kgfm de torque disponíveis a 1.750rpm ainda garantem aquela força boa para as retomadas na estrada. Você pisa e o turbo do Jeep Renegade a diesel entra sem titubear, com a transmissão engatando rapidamente a marcha mais adequada. Sem falar que toda essa disposição ainda ajuda naquele fora de estrada mais suave.

Jeep Renegade Longitude AT 2.0 Diesel AT9 modelo 2018 2019 interior painel estático na terra
Interior tem acabamento honesto, com boa montagem dos componentes Foto: Beto Novaes/EM/D.A Press

3 – Dinâmica é ponto positivo

Um dos aspectos surpreendentes do Jeep Renegade é justamente o seu comportamento dinâmico. Apesar de ser alto e quadrado, o SUV feito sobre a plataforma Small Wide é bastante comportado em curvas, mesmo em altas velocidades, ajudado por uma carroceria com boa construção e um jogo de suspensão multibraço na traseira com calibragem adequada.

Em retas em velocidades de 120km/h permitidas, o volante pede poucas correções. Só mesmo nas frenagens a frente embica, mas pouca coisa, e nada que comprometa a segurança dinâmica do utilitário-esportivo.

Jeep Renegade Longitude AT 2.0 Diesel AT9 modelo 2018 2019 console câmbio automático seletor de tração estático na terra
Versão é equipada com câmbio automático de nove velocidades e traz seletor de tração Foto: Beto Novaes/EM/D.A Press

4 - Capacidades fora de estrada

É o grande fato que diferencia o Jeep Renegade turbodiesel dos seus rivais. O motor robusto, com boa força em baixos giros, permite ao SUV algumas aventuras. É claro que você não vai disputar o Rally Dakar, mas é possível fazer trilhas mais fáceis e encarar aquela estrada mais prejudicada sem medo.

Isso possibilitado também pela tração Select Terrain. Além de 4x4 – que pode jogar até 20kgfm de torque para o eixo traseiro – e reduzida, o Jeep Renegade oferece modos de condução para diferentes tipos de piso: terra, areia, neve e “automática” – a “rock”, para pedras, está disponível apenas nas versões Trailhawk.

Jeep Renegade Longitude AT 2.0 Diesel AT9 modelo 2018 2019 de frente chapada em movimento na terra
Sistema de tração garante desenvoltura em estradas de terra, mas sem exageros no off road Foto: Beto Novaes/EM/D.A Press
 

Bom lembrar que os rivais EcoSport e Duster até tinham versões com tração nas quatro rodas. Mas o sistema deles é por acoplamento viscoso e sob demanda, sem possibilidade de bloqueio de diferencial, reduzida ou seleção de tipos de terreno.

Fora isso, as capacidades do Jeep Renegade também entusiasmam para uma aventura limitada. São 30 graus de ângulo de entrada e 33 graus de ângulo de saída. Já o vão livre do solo do Jeep Renegade turbodiesel é de 21,6 cm.

5 – Já foi campeão de vendas

Desde o lançamento, o Jeep Renegade se sai bem nas vendas. Por dois anos, foi o SUV mais vendido de todo o país – incluindo todas as categorias, de compactos, médios e grandes. Recentemente, alcançou a marca de 550 mil unidades produzidas em Goiana (PE), mas com a concorrência e o reposicionamento após a linha 2022, perdeu mercado.

Veja o desempenho em emplacamentos do Jeep Renegade ano a ano e sua posição no ranking dos mais vendidos da categoria de SUVs:

  • 2015: 39.187 (2º)
  • 2016: 51.563 (2º)
  • 2017: 38.330 (4º)
  • 2018: 46.344 (5º)
  • 2019: 68.726 (1º)
  • 2020: 56.865 (2º)
  • 2021: 73.913 (1º)
  • 2022: 51.398 (5º)
  • 2023: 44.157 (7º)*
    *até novembro de 2023

6 – Conforto não é dos melhores

Se comparado à maioria dos concorrentes, o Jeep Renegade turbodiesel fica enfraquecido neste quesito. Não que seja um carro apertado, mas o espaço para joelhos e pernas no banco traseiro é um pouco limitado. E o porta-malas de 385 litros é estreito e não permite muitas estripulias nas viagens.

Em contrapartida, o SUV da marca estadunidense mudou o padrão de acabamento interno da categoria, com materiais emborrachados, plásticos que aparentam melhor qualidade e encaixes de painéis bastante corretos. A posição de dirigir elevada também agrada a quem gosta de utilitário-esportivo para ter aquela “sensação de segurança”.

Jeep Renegade Longitude AT 2.0 Diesel AT9 modelo 2018 2019 interior banco traseiro estático na terra
Banco traseiro tem espaço limitado e acomoda duas pessoas com relativo conforto Foto: Beto Novaes/EM/D.A Press

7 - Nossa dica da melhor versão

Vamos de Jeep Renegade Limited turbodiesel ano 2018. Tem muitos exemplares desta versão, que ficava abaixo da topo de linha Trailhawk, com preços abaixo de R$ 100 mil nos principais sites de compra e venda de veículos (valores apurados em dezembro de 2023).

Na segurança, controles eletrônicos de estabilidade, tração e subidas, câmera e sensores de ré, mas só oferece o airbag duplo obrigatório por lei. No conforto, o ar-condicionado é automático e a central multimídia Uconnect tem tela de sete polegadas, com comandos no volante.

Banco do motorista com ajustes elétricos, revestimento em couro, sensores de chuva e de luminosidade também estão entre os itens. No estilo, rodas de liga leve com aros de 18 polegadas e teto-solar panorâmico.

Jeep Renegade Longitude AT 2.0 Diesel AT9 modelo 2018 2019 porta-malas estático na terra
Porta-malas é um dos menores do segmento e acomoda apenas pequenas bagagens Foto: Beto Novaes/EM/D.A Press

8 – Uma ideia sobre a manutenção do Renegade

Motores turbodiesel são mais resistentes, porém, costumam ter manutenção mais cara, e com o Jeep Renegade não é diferente. O bom é que as revisões costumam ser mais espaçadas. Quando zero km, o modelo tinha manutenção obrigatória a cada 20 mil quilômetros.

Veja o preço de alguns componentes e serviços do Jeep Renegade turbodiesel 2018:

  • Jogo com quatro pastilhas do freio dianteiro: de R$ 160 a R$ 240
  • Óleo do diferencial: de R$ 70 a R$ 110
  • Bomba de combustível: de R$ 250 a R$ 500
  • Kit troca de óleo (5 litros 5W30 + filtro): de R$ 300 a R$ 460
  • Amortecedor traseiro: de R$ 600 a R$ 800 (par)
  • Para-choque traseiro: de R$ 560 a R$ 900
  • Farol direito: de R$ 550 a R$ 870

9 - Principais problemas do jipe compacto

O defeito mais comum relatado por donos do Jeep Renegade turbodiesel diz respeito justamente ao funcionamento do motor Multijet. Os proprietários queixam-se de que a luz da injeção do painel acende e o propulsor começa a perder potência.

O Jeep Renegade também costuma apresentar falhas nas vedações dos vidros, que permitem infiltrações na cabine e excesso de ruídos de vento. Fique atento também à parte elétrica, que costuma apresentar problemas e panes.

Jeep Renegade Longitude AT 2.0 Diesel AT9 modelo 2018 2019 cofre do motor estático na terra
Motor 2.0 turbodiesel com bom torque em baixas rotações garante bom desempenho ao Renegade Foto: Beto Novaes/EM/D.A Press

10 – As campanhas de recall do jipinho

  • Troca do módulo do airbag do passageiro dos Jeep Renegade feitos em 2015 e 2016;
  • Substituição do cabo do freio de estacionamento em modelos do SUV produzidos de 2015 a 2017;
  • Atualização do software do comando da seta de unidades fabricadas de 2016 a 2018;
  • Substituição dos relés dos Jeep Renegade anos 2016, 2017 e 2018;
  • Atualização do software da central do airbag das unidades feitas em 2018 e 2019;
  • Troca das pinças do freio traseiro de unidades produzidas em 2019 e 2020.

Jeep Renegade Longitude AT 2.0 Diesel AT9 modelo 2018 2019 roda de liga leve estático na terra
Versão equipada com motor turbodiesel e tração 4x4 tem rodas de liga leve de série Foto: Beto Novaes/EM/D.A Press

Confira os vídeos do VRUM nos canais do YouTube e Dailymotion: lançamentos, testes e dicas