Willys CJ-2, o precursor do jipe civil, comemora seus 75 anos

Após cumprir sua missão no front, veterano encontrou sua vocação no trabalho pesado para depois relaxar pelas trilhas mundo afora

Publicidade
Willys CJ-2, o precursor do jipe civil, comemora seus 75 anos Após cumprir sua missão no front, veterano encontrou sua vocação no trabalho pesado para depois relaxar pelas trilhas mundo afora
Willys-Overland CJ-2

A Jeep ficou com invejinha dos holofotes projetados sobre a reencarnação do Ford Bronco e decidiu soprar velinhas para os 75 anos do lançamento do Willys-Overland CJ-2A, o jipe civil que deu origem à marca. Nascido para a guerra, em 1945 o veterano encontrou serviço como utilitário. Com o tempo, se tranformou em símbolo de liberdade, mas hoje cabe no bolso de poucos por aqui.
 

Compare o Willys MB com o jipe civil lançado em 1945

O precursor do modelo nasceu Willys-Overland MB, veículo militar feito para durar poucos meses em território mais que hostil. Foi em 17 de julho de 1945 que nasceu sua variante civil, o CJ-2A. A diferença mais evidente em relação ao veículo militar era a grade dianteira com sete fendas, que substituiu a original de nove fendas, característica mantida até hoje no Wrangler.

Porém, outras características o distinguiam: a tampa traseira, que deslocou o estepe para a lateral; os faróis maiores, já que o anteriores ficavam atrás da grade; tampa de combustível externa; além de outros itens não incluídos no antecessor militar. O motor era o mesmo 2.2 a gasolina que ficou conhecido pela alcunha "Go-Devil", mas o câmbio manual de três marchas era outro.
 

Depois da guerra, modelo encontrou sua vocação no trabalho duro

Os anúncios da Willys da época divulgavam o modelo como um veículo de trabalho para agricultores e trabalhadores da construção. O CJ-2A podia ser equipado com assentos extras (de passageiro na frente e traseiros), tomadas de força para implementos agrícolas, guincho, removedor de neve e outras ferramentas. Outras opções ainda eram espelho retrovisor central, capota de lona, guincho, elevador hidráulico traseiro, cortador de grama, limpadores de para-brisa duplos a vácuo, lanternas traseiras duplas, aquecedor, degraus laterais e protetor da escova do radiador. Com 215 mil unidades fabricadas, a produção do CJ-2A durou quatro anos e terminou em 1949.

O conceito do jipe era tão vencedor, que se manteve em linha durante todos as vezes em que a marca Jeep foi incorporada por outro fabricante de veículos. Em 1953 a Willys foi adquirida pela Kaiser Motors, que recebeu inicialmente a denominação Willys Motors para depois de tornar Kaiser Jeep. Depois, em 1970, a marca que foi comprada pela American Motors Corporation (AMC), que chegou a ser operada pela Renault em 1979. Foi no fim dessa jornada que o CJ “virou a chavinha” para Wrangler, até que fosse comprada pela Chrysler em 1987. Hoje a marca pertence à Fiat Chrysler Automobiles (FCA).

EVOLUÇÃO O CJ-3A foi lançado em 1949, já com o para-brisa em peça única e eixo traseiro reforçado, mantendo o motor original de quatro cilindros com cabeçote em L. O modelo foi atualizado em 1953, o CJ-3B, quando a grade e o capô ficaram mais altos para abrigar o motor Hurricane. Um ano depois o modelo começou a ser montado em São Bernardo do Campo (SP) pela Willys-Overland do Brasil.

CJ-5 ganhou linhas mais suaves, incluindo contornos arredondados da carroceria

Dois anos depois, já pertencente à Kaiser Company, o CJ-5 foi lançado. Baseado no M-38A1, usado na Guerra da Coreia, suas linhas eram mais suaves, incluindo contornos arredondados da carroceria. A distância entre-eixos e o comprimento total estavam maiores. Além disso, foram feitas melhorias no motor, eixos, transmissões e conforto, deixando o CJ-5 um veículo ideal para o crescente interesse do público em veículos off-road.

CJ-6, apelidado de ‘Bernardão’ no Brasil, tinha o extre-eixos mais longo

No Brasil, o CJ-5 foi fabricado de 1957 a 1982. Houve também o CJ-6, com entre eixos alongado, introduzido em 1956 e produzido até 1975, que ganhou o apelido de “Bernardão” em referência à cidade paulista onde era fabricado.

O CJ-7 oferecia como opcionais teto de plástico moldado e portas de aço

A primeira grande mudança no design do Jeep em 20 anos veio em 1976, já sob a batuta da AMC, com o CJ-7. A distância entre-eixos era 25cm maior que o CJ-5, para permitir a colocação de uma transmissão automática. O CJ-7 oferecia como opcionais teto de plástico moldado e portas de aço. O CJ-5 foi produzido até 1983. Já em 1986 o CJ-7 foi substituído pelo Jeep Wrangler, que trouxe mais tecnologia e preservou seu estilo tradicional. O modelo segue evoluindo no mercado até hoje, já em sua quarta geração.