Volume de vendas e estoque indicam que Citroën C3 e Aircross deixaram de ser produzidos. Qual será o futuro da marca no Brasil?

Fabricante não confirma o término. Se movimento for confirmado, Citroën e Peugeot passam a produzir juntas apenas dois veículos de passeio no Brasil. Reação pode ser família de três modelos compactos construídos sobre a nova plataforma CMP

Volume de vendas e estoque indicam que Citroën C3 e Aircross deixaram de ser produzidos. Qual será o futuro da marca no Brasil? Fabricante não confirma o término. Se movimento for confirmado, Citroën e Peugeot passam a produzir juntas apenas dois veículos de passeio no Brasil. Reação pode ser família de três modelos compactos construídos sobre a nova plataforma CMP

Mais dois modelos da Citroën podem ter “subido no telhado”. De acordo com informações do site Autos Segredos, o hatch C3 e o monovolume Aircross deixaram de ser produzidos na planta de Porto Real (RJ). A informação chega poucos dias após a marca ter oficializado que o sedã C4 Lounge deixou de ser importado para o Brasil.

Ao site especializado em segredos automotivos, a Citroën negou que os modelos deixaram de ser produzidos”: “A Citroën não confirma a informação e afirma que permanece produzindo e comercializando no Brasil tanto o C3, quanto o Aircross”. Os modelos continuam disponíveis no site comercial da marca, assim como o C4 Lounge, que já não é mais importado da Argentina.

Porém, as evidências indicam que há algo errado com o fornecimento dos modelos. Nas três concessionárias Citroën de Belo Horizonte, encontramos apenas uma unidade do Aircross. A última vez que o Aircross apareceu na lista mensal da Fenabrave foi no fechamento de abril, quando acumulava 233 emplacamentos. Já o C3 registrou apenas 884 emplacamentos no acumulado até o fim de outubro de 2020. Pesquisa no site Webmotors revela apenas oito unidades zero quilômetro disponíveis do Aircross e 16 unidades do C3. Ao próprio Autos Segredos, concessionários admitiram que os modelos não são fornecidos a dois meses.

Caso isso se confirme, resta à Citroën somente um modelo de passeio no mercado brasileiro, o SUV C4 Cactus. Se considerarmos a marca irmã Peugeot, que também faz parte do Grupo PSA (junto a outras marcas que não atuam no Brasil), os franceses ainda produzem em Porto Real o SUV 2008, já que todos os demais modelos vendidos pela marca do leão são importados.

Como o C3L é construído sobre a velha plataforma PF1, o sedã não deve chegar ao mercado brasileiro

INVESTIMENTO Como já foram realizados investimentos para a produção de modelos que usam a nova plataforma CMP (a mesma do Peugeot 208) na fábrica brasileira, novidades nacionais de ambas as marcas são aguardadas para breve. E a pressão se aumenta ainda mais caso a fábrica de Porto Real esteja produzindo apenas dois modelos.

Marca francesa registrou carroceria do C3L no Inpi, projeto feito em parceria com joint venture chinesa

IMPROVÁVEL A PSA registrou no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi) imagens da carroceria do sedã C3L, um sedã compacto projetado na China com linhas no mínimo originais (eu achei bacana!). Porém, o fato do modelo ser construído sobre a velha plataforma PF1 torna sua fabricação no Brasil bastante improvável.

Hatch compacto que deve ser vendido no Brasil usa a nova plataforma CMP e foi flagrado em testes na Índia

FUTURO Para o Brasil, espera-se por uma família composta por três novos modelos que usarão a plataforma CMP. O primeiro seria um hatch compacto (no lugar do C3), que já foi flagrado em testes na Índia, seguido por um crossover compacto (um “suvinho” que entraria no lugar do Aircross) e até um improvável sedã compacto (inédito na marca no mercado brasileiro). Os motores seriam o 1.2 Puretech e o 1.6 16V usados atualmente na linha. No médio prazo, a linha PSA começa a trocar tecnologia com o Grupo FCA, dentro da fusão que foi denominada Stellantis.