Renault divulga imagens oficiais da segunda geração do Duster no Brasil

Veículo foi lançado há quase três anos na Europa e mantém antiga plataforma, o que revela sua estagnação tecnológica. Interior melhorou substancialmente e motor 2.0 será substituído por um 1.3 turbo. Confira os detalhes

Renault divulga imagens oficiais da segunda geração do Duster no Brasil Veículo foi lançado há quase três anos na Europa e mantém antiga plataforma, o que revela sua estagnação tecnológica. Interior melhorou substancialmente e motor 2.0 será substituído por um 1.3 turbo. Confira os detalhes

A Renault divulgou duas fotos oficiais da nova geração do Duster, que será lançada em março. Na verdade não há muita novidade aqui, já que as linhas do utilitário-esportivo finalmente se alinham com as que o modelo europeu (assinado pela Dacia) ganhou no distante ano de 2017. Em um primeiro olhar pouco se nota diferenças significativas em relação à primeira geração, apenas o capô mais robusto, a nova grade, os para-choques e as lanternas inspiradas nas do Jeep Renegade.

Em um segundo olhar é possível perceber que os faróis ganharam novo desenho interno, o para-brisa ficou mais inclinado e a tampa traseira também mudou. Já nas laterais é difícil acreditar que tudo mudou. Com base nas imagens divulgadas dá para constatar que o pacote Outsider será mantido, com apliques plásticos nas caixas de roda e protetor de para-choque com farol auxiliar integrado.

Mas o grande problema do novo Duster é a manutença da antiga plataforma B0, o que pode ser interpretado como uma estagnação da evolução tecnológica em todos os sentidos (segurança, conectividade, etc). A Renault do Brasil adotou a mesma estratégia para os novos Sandero, Logan e Stepway, que também não demonstraram a evolução esperada. Por este motivo, a renovação do Duster está mais para uma reestilização do que de fato uma nova geração.

DENTRO Já no interior a evolução foi considerável. O painel ganhou orientação horizontal e traz como destaque a tela do sistema multimídia, que se projeta alguns centímetros. O volante tem novo desenho, mas ainda não tem os comandos de som e telefonia integrados, mas a velha alavanca à direita. O apoio de braço é fixado ao encosto do banco do motorista, e não do tipo integrado ao console central. Os painéis de porta dianteiros trazem aplique em tecido, sugerindo mais requinte.

A imagem do interior divulgada é da versão topo de linha, que tem ar-condicionado digital, bancos em couro, câmbio automático e partida do motor por botão (o que indica a oferta de chave presencial também para destravar as portas). Outra vantagem é que o SUV mantém as dimensões atuais – 4,33 metros de comprimento, 1,82m de largura, 1,68m de altura e 2,67m de entre-eixos – que garantem um bom espaço interno. O porta-malas também deve manter o volume atual de 475 litros.

TURBO Inicialmente o Duster deve trazer apenas o motor 1.6 Sce, com 118cv/120cv de potência (gasolina/etanol) e 16,2kgfm (g/e), disponível com câmbio manual de cinco marchas ou automático do tipo CVT. É isso mesmo, o beberrão propulsor 2.0 sai de campo para a chegada de um 1.3 turboflex, provavelmente apenas em 2021. Este motor deve operar na faixa dos 130cv e 24,4 kgfm, mantendo a performance e melhorando o consumo de combustível. Outra evolução importante será a direção eletricamente assistida, que substitui a atual eletro-hidráulica.