Peugeot novo com defeito vira pesadelo para consumidor

Veículo adquirido por comerciante apresentou defeito poucas semanas após sair da revenda, em 2008. Caso está na Justiça

Publicidade

 

O comerciante Wagner Fernandes, de 45 anos, viu seu sonho se transformar num pesadelo, que já dura três anos. Em outubro de 2008, ele pagou R$ 51 mil em um Peugeot Passion 207, ano 2008 e modelo 2009. A felicidade em adquirir o primeiro veículo zero quilômetro durou poucas semanas: “O carro deu quatro panes elétricas em pouco tempo. Procurei a concessionária Bordeaux, que fica no Bairro Estoril, e ela não resolveu o problema. O carro está parado na garagem desde 2008”, lamentou.

A dor de cabeça do comerciante começou poucos dias depois da compra do veículo. A concessionária, de acordo com ele, atribuiu o defeito ao DVD que o comerciante havia comprado numa loja. “Porém, após a terceira pane, a empresa retirou e colocou o aparelho. E, quando ele já havia sido retirado do carro, ocorreu a quarta pane. Portanto, houve defeito sem o DVD instalado.” Wagner tentou, sem sucesso, resolver o problema amigavelmente na concessionária, sem sucesso.

O caso foi parar na Justiça. Na última audiência, há três semanas, segundo Wagner Fernandes, a representante da montadora lhe ofereceu R$ 28 mil pelo veículo. “É um desaforo. Quero o valor que paguei de volta”, esbravejou o comerciante, que decidiu tornar seu pesadelo público. Wagner imprimiu 20 mil panfletos relatando seu problema e criou uma página internet (www.problemao.com.br) com a mesma finalidade. E mais: alugou um reboque para transportar seu veículo pelas ruas de BH. O comerciante chegou a fazer manifestações próximas à concessionária, que divulgou nota de esclarecimento, assinada pelo diretor de Pós-vendas, Rogério González.

“O cliente decidiu, por conta e risco, instalar, numa loja de acessórios, equipamento não original e não homologado pela montadora – mesmo estando claro no manual de garantia da Peugeot que a atitude poderia anular a garantia contratual do veículo. (…) Ao ser procurada para verificação do problema, a concessionária constatou que a causa da perda de corrente e consequente descarregamento da bateria era em virtude da instalação de equipamento não original fora da rede autorizadas, não sendo possível resolver o problema sem a retirada desse equipamento e restituição do veículo à sua configuração original.”

A nota continua: “O cliente decidiu acionar judicialmente a concessionária e a Justiça determinou a realização de perícia técnica no veículo. O laudo concluiu que a causa do problema alegado é exclusivamente fruto da instalação inadequada de um equipamento não original, não tendo a concessionária ou a Peugeot qualquer responsabilidade pelos problemas elétricos. Insatisfeito com o resultado pericial, o cliente decidiu realizar manifestação nas proximidades da concessionária (…). A concessionária lamenta essa situação, mas não é, de forma, alguma responsável pelos problemas”.

Wagner não concorda com a posição da concessionária. Segundo ele, “o perito se esqueceu ou não sabe que a (marca do DVD) é uma das melhores do Brasil e que, além disso, os aparelhos instalados em carros da Peugeot só funcionam com o veículo ligado, impossibilitando o roubo de carga da bateria”. A montadora foi procurada para comentar o assunto, mas não se pronunciou até o fechamento da edição.