Land Rover Defender – Herói da resistência

Criado há 60 anos, jipe foi projetado para vencer obstáculos quase intransponíveis. Nova geração herda desconforto e foram feitas alterações de estilo e na mecânica

Publicidade
Em relação ao modelo anterior, a mudança externa se resume ao ressalto no capô. Marcas deixadas pelo projeto inglês estão no painel, como ignição do lado esquerdo

Do Jalapão (TO) – As erosões no caminho para o mirante da Serra do Espírito Santo, na região do Jalapão, em Tocantins, podem fazer muitos motoristas encostarem o carro e finalizarem o percurso a pé. São imensos e acentuados buracos, que comportam quase metade dos 4,6m do Land Rover Defender. Porém, é possível transpor os obstáculos devido a uma série de equipamentos combinados que permitem que um jipe trafegue em locais moldados pela natureza somente para pessoas com muita disposição chegarem. Com o propósito de transpor barreiras naturais como essa, nos últimos 60 anos foram fabricados quase 2 milhões de unidades do Land Rover Defender. Apresentado no Salão do Automóvel de Amsterdã, em 1948, o jipe é sinônimo de aventura e durabilidade, tanto que a fábrica estima que 75% dos dois milhões de modelos fabricados ainda circulem pelo mundo. Desde 2005, quando a produção do Defender foi encerrada no Brasil, o jipe é importado da Inglaterra.

O caderno de Veículos do jornal Estado de Minas testou a nova geração do Defender em trecho de 500 quilômetros, entre asfalto – que liga a capital Palmas à cidade de Ponte Alta – e estradas de terra, areia e dos piores tipos possíveis na região do Jalapão. Ao fim do percurso, constatou-se que é difícil encontrar um obstáculo intransponível para o jipe e que quem escolhe pagar R$ 144 mil pelo Defender 110 precisa abrir mão do conforto. A posição de dirigir é uma das piores encontradas nos carros comercializados no Brasil. A perna esquerda fica durante todo o tempo encostada na porta, pois o pedal da embreagem é na extrema esquerda. Já a perna direita encontra apoio na alavanca de freio de estacionamento, o que incomoda após muito tempo dirigindo. Se o vidro estiver fechado – o que é aconselhável devido à poeira -, o cotovelo esquerdo esbarra a todo momento no vidro.

Veja fotos do Land Rover e do evento de apresentação!

Por ser importado da Inglaterra, a transposição da mão de direção gera desconforto, desde detalhes pequenos como a chave da ignição do lado esquerdo do volante até a alavanca da reduzida totalmente à direita, que para ser acionada precisa de muita força e jeito. O imenso túnel central, que reduz espaço de passageiro e motorista, é, segundo a fábrica, provocado pela configuração dos componentes mecânicos, que precisam ficar escondidos dos obstáculos do percurso.

Força para ficar bonito
Além de novo motor e câmbio de seis marchas, as principais modificações foram no interior, deixando o jipe com aspecto mais moderno e que agora pode executar músicas em MP3

Além do estepe pendurado do lado de fora, na traseira, o veículo tem bons ângulos de entrada e saída e foi desenvolvido para o fora-de-estrada.

O motor 2.4 turbodiesel gera a mesma potência da geração anterior e o torque é 20% maior. A diferença permite que o carro saia melhor de situações extremas, encontradas com freqüência durante o percurso no Jalapão. O torque combinado com o novo câmbio, agora de seis marchas, permite aproveitamento melhor da força. Isso porque a primeira marcha ficou 30% mais reduzida e libera mais força nas arrancadas. Já a sexta marcha é 34% mais longa, o que gera maior conforto, menor trepidação e mais economia de combustível, principalmente em trechos asfaltados. A embreagem também foi modificada e,s com novos cabos, ficou 20% mais leve do que a antiga.

Apesar do conforto gerado pela sexta marcha, entrar em uma curva em alta velocidade assusta um pouco, pois a inclinação da carroceria é muito acentuada. Por isso, a velocidade máxima é limitada a 140 km/h. Em situações extremas, pode ser acionada a reduzida e, quando o obstáculo for muito complicado, o ideal é usar o bloqueio de diferencial. Entretanto, mais difícil do que o obstáculo pode ser o acionamento do bloqueio, que exige bastante técnica para encontrar a posição correta na alavanca.

Interior
O habitáculo recebeu as modificações mais visíveis. O jipe perdeu o aspecto de carro antigo de fazenda e esbanja até tocador de MP3. O ar-condicionado melhorou, com saídas acima do painel. Um relógio analógico confere certo charme e dois porta-copos estão no imenso elevado acima do túnel central. As luzes de LEDs, que iluminam o quadro de instrumentos, ajudaram a deixar o visual mais limpo e moderno. Outras alterações foram a troca dos bancos, agora mais grossos em sete milímetros, que reduz o desconforto. Do lado externo, a única modificação visível foi no capô, que teve o centro ressaltado em poucos centímetros para comportar o motor.

Segurança
Todos os bancos contam com apoio de cabeça e cintos de segurança de três pontos. A estrutura do chassi foi reforçada nos locais de apoio dos cintos. Além disso, as três configurações oferecem freios ABS como equipamento de série e controle eletrônico de tração. Toda a estrutura do carro é feita de alumínio, com exceção das portas, tampa do capô e do porta-malas, que são de aço. Não há opção de airbag.

Confirgurações
A Land Rover comercializa o Defender no Brasil em três configurações 90 (R$ 139 mil), 110 (R$ 144mil) e 130 (R$ 140 mil), sendo que a última é picape cabine dubla, vendida sob encomenda. Os nomes (90, 110 e 130) se referem à medida entre os eixos em polegada. O teste foi feito na versão 110, que pode ter dois bancos extras no porta-malas. Montado em São Bernardo do Campo até 2005, o Defender agora é importado. O Defender 110 nacional era vendido por R$ 100 mil.

FICHA TÉCNICA

Motor
Dianteiro, 2.4 turbodiesel, de quatro cilindros, commomn rail e TGV(turbina de geometria variável), que desenvolve potência de 122cv a 3.500rpm e torque de 36,7kgfm a 2.500rpm

Transmissão
Tração 4×4 com redução, bloqueio do diferencial e câmbio de seis marchas

Suspensões/rodas/pneus
Dianteira, eixo rígido com braços longitudinais e barra Panhard; traseira, eixo rígido, com braços triangulares /Liga leve 16”/235/85 R16

Direção
Direção com assistência hidráulica

Freios
A disco nas quatro rodas com ABS

Capacidades
Tanque, 75 litros; peso, 1.873kg

Dimensões
(A x B x C x D x E)(m) (*) 4,6×1,79×1,97x 2,79mx 0,31

Ângulos entrada/saída 49°/35°

Carga útil (kg) 1.177KG

Velocidade máxima (km/h) (**) Limitada a 140km/h

Aceleração de 0 a 100 km/h (s) (**) ND

Consumo misto(km/l) (**) 9km/l

Preços (R$) 144 mil

(*) A: comprimento; B: largura; C: altura; D: entre-eixos; E: altura livre do solo
(**) Dados fornecidos pelos fabricantesND: Não disponível

* Jornalista viajou a convite da Land Rover