Competidores criam carros inusitados para participar de corrida maluca

Red Bull Soapbox acontece dia 20 de setembro em Goiânia. Serão 35 carros artesanais que provam que a imaginação realmente não tem limite

Competidores criam carros inusitados para participar de corrida maluca Red Bull Soapbox acontece dia 20 de setembro em Goiânia. Serão 35 carros artesanais que provam que a imaginação realmente não tem limite
Edição de 2011 foi realizada em Belo Horizonte

O que leva um grupo de marmanjos a construir um carrinho só para percorrer uma descida com 400 metros de extensão? É o resultado da soma da paixão pela velocidade com a criatividade e o bom humor. Esse é o propósito das equipes que no dia 20 participarão da Red Bull Soapbox, em Goiânia, uma corrida maluca que vai reunir 35 carros artesanais, sem motor, movidos a propulsão humana, que comprovam que a imaginação realmente não tem limite. Quatro equipes de Minas Gerais foram classificadas e vão demonstrar seu talento na pista.

A primeira corrida da Red Bull Soapbox foi realizada na Bélgica, em 2000. De lá para cá, ela já passou por 96 cidades em 46 países. O recorde de público foi em Los Angeles, com 115 mil pessoas presentes. No Brasil, o evento já foi realizado em Porto Alegre, Fortaleza, Balneário Camboriú e em Belo Horizonte. Esta última foi em 2011 e a equipe vencedora foi a Red Bule Uai, Sô!, que agora volta com força total como Buteco Kerozenne.

Os integrantes da equipe são Alexandre Menicucci, Marcos Menicucci, André Menicucci e André Ferri, com o apoio logístico de Danilo Girundi. O carrinho feito em 2011 tinha o formato de um fogão a lenha com churrasqueira, feito com uma estrutura de metalon, coberto por eucatex e madeira. Alexandre lembra que o regulamento da prova determina que o carrinho deve ser construído por uma equipe de quatro integrantes e, além de ter que descer uma ladeira de 400 metros de extensão no menor tempo, é preciso mostrar criatividade e originalidade no momento da apresentação, que antecede a corrida. O Red Bule Uai, Sô! fez o segundo melhor tempo naquele ano, mas a equipe obteve a maior pontuação geral e faturou o primeiro prêmio, que foi assistir ao Grande Prêmio de Fórmula 1, em São Paulo, em área VIP.

Carro Buteco Kerozenne é um dos 35 selecionados da edição 2015

BÊBADO Nesta edição de Goiânia, eles vão participar com o carro Buteco Kerozenne, mesmo nome da cerveja artesanal produzida por Alexandre. Ele conta que a primeira ideia foi construir um carro para homenagear os atletas paralímpicos, mas acabaram optando pelo buteco, projetado por André Minicucci. O carrinho tem formato simples, com uma bancada que imita o mármore do balcão de um bar, um barril como grade frontal, um bico de chopeira, banquinhos nas laterais, e na traseira uma prateleira com as várias versões da cerveja Kerozenne. Além de metalon, madeira e isopor, o Buteco usa rodas de bicicleta aro 16 polegadas, com freio a disco. Nos testes, atingiu a velocidade de 40km/h e Alexandre garante que o veículo contorna curvas muito bem. Acredite se quiser. Para apresentar o Buteco Kerozenne, André Ferri vai fazer o papel de um piloto bêbado, enquanto os outros representarão um garçom cego e surdo, uma noiva e um velhinho.

RATOEIRA Já o tema da equipe Come Queto, formada pelos estudantes do curso de engenharia civil da UFMG Bernardo Duarte, Bruno Junqueira, Matheus Araújo e Gabriel Paulino, é uma ratoeira. A inspiração foi o queijo de minas. Na representação antes da largada, dois ratos vão roubar o queijo de dois matutos e fogem no carro em formato de ratoeira. O veículo foi feito com material de ferro-velho, rodas de motocicleta, amortecedores, tampo de MDF, tubos de metalon e setor de direção do Ford Ka. Mas o queijo não é o de minas verdadeiro. É feito de isopor.

Gabriel, Bernardo, Matheus e Bruno, integrantes da equipe Come Queto

SUÍNO A terceira equipe de Belo Horizonte que vai participar foi escolhida entre os 1.200 inscritos por meio de voto popular em rede social. É a Speed Porco, que, como a Come Queto, participa da Red Bull Soapbox pela primeira vez. O piloto será o engenheiro mecânico Gustavo Miqueletti, que terá ao seu lado Rômulo Carvalho (copiloto), além do auxílio de Felipe Dornellas (vai ser o Lobo Mau) e Lucas Rosa. O carrinho, é claro, tem o formato de um porco rosado, com chassi de metalon, rodas de carrinho de mão, freio de moto na traseira e direção de kart. A carroceria é feita com estrutura de arame coberta com massa de jornal, cola e poliuretano.

CONFIRA ESSA KOMBI MUITO LOUCA:

A quarta equipe mineira é a Pé-de-Cana, de Uberlândia, que também vai mostrar criatividade na pista em Goiânia. Para Alexandre, da Buteco Kerozenne, o estímulo para participar de uma competição como esta vem do gosto pela velocidade, além da curtição da brincadeira em família.

Alexandre Menicucci e o piloto André Ferri mostram com orgulho o Buteco Kerozenne, carrinho feito com inspiração etílica e diferentes materiais
Carro em formato de ratoeira não dispensa o queijo de Minas e o bom humor
Detalhe do Buteco Kerozenne

E OS TOMBOS? VEJA UMA SELEÇÃO:

REVEJA A CORRIDA DE 2011