Nova Honda CMX 1100 Rebel é apresentada na Europa e pode vir para o Brasil

Equipada com motor de dois cilindros paralelos e câmbio de dupla embreagem, herdados da Africa Twin, a Rebel 1100 integra a linha custom

Nova Honda CMX 1100 Rebel é apresentada na Europa e pode vir para o Brasil Equipada com motor de dois cilindros paralelos e câmbio de dupla embreagem, herdados da Africa Twin, a Rebel 1100 integra a linha custom

A Honda apresentou na Europa o modelo Rebel 1100, com estilo custom, de formas mais compactas e limpas, sem cromados e supérfluos, com para-lamas mais curtos, assumindo também características “Bobber”, além de utilizar o mesmo motor de dois cilindros em linha da Africa Twin 1100. A Honda já participou do segmento custom no Brasil com os modelos Shadow 600, substituída pela Shadow 750, que abandou o estilo clássico para exatamente adotar formas mais arejadas, com para-lamas curtos e pedaleiras no lugar das plataformas para os pés.

Com a retirada de linha da Shadow, a marca ficou sem representante no segmento, embora tenha feito um teste de aceitação com a exibição do modelo Rebel 500 (que utiliza o mesmo motor da CB 500) durante o Salão das Duas Rodas de 2017, o que também pode sinalizar um possível desembarque da nova Rebel 1100 em nosso mercado. Um ponto a favor é o fato de utilizar o mesmo motor da Africa Twin 1100 que chega em 2021, produzida em Manaus, facilitando a logística. Contra, as taxas de câmbio desfavoráveis, pois quase a totalidade dos componentes ainda é importada.

O compacto motor com dois cilindros em linha, oito válvulas e 1.084 cm³ de cilindrada, e intervalo de ignição de 270 graus sofreu modificações em relação à Africa Twin, para maior compatibilidade com as exigências do segmento. Os contrapesos tiveram 32% de aumento na inércia, gerando mais resposta em baixas rotações. O volume da caixa do filtro de ar, com sete litros, e o escapamento também foram alterados, mudando inclusive o som, resultando em uma potência de 86,9cv a 7.000rpm e um torque de 10kgfm a apenas 4.750rpm.
    

Como na Africa Twin 1100, a Rebel 1100 tem a opção de caixa de marchas com dupla embreagem. Na prática pode ser usado como se fosse um câmbio automático tradicional ou ainda sob o comando do piloto, que seleciona as marchas para cima e para baixo através de botões no guidão. Também possibilita os modos de pilotagem Standard, Rain (para pisos com baixa aderência), Sport (que “estica” mais as marchas e minimiza o controle de tração) e User (com as combinações preferidas de freio-motor, motor e controle de tração.

Com estrutura em tubos de aço, o quadro permite um banco a 700 mm do solo, facilitando o embarque e desembarque, além de possibilitar inclinações de até 35 graus para ambos os lados. A suspensão dianteira convencional tem tubos de 43 mm de diâmetro, e a traseira dois amortecedores com reservatório de expansão de gás. Ambas reguláveis na pré-carga da mola. Um pacote que conta com distância entre-eixos de 1,52m e pneus mais grossos em rodas de liga leve com medida de 130/70 em aro 18 na dianteira e 180/65 em aro 16 na traseira.
    
O freio dianteiro tem disco único de 330 mm de diâmetro com pinça monobloco e radial de quatro pistões. Na traseira, disco de 256 mm. Ambas com sistema ABS. O painel segue o estilo com relógio redondo e tela LCD. O farol tem quatro lâmpadas em LED. Lanterna e setas também são em LED. Embaixo do banco fica um pequeno espaço para objetos, com três litros de volume, e uma tomada tipo USB para carregamento de eletrônicos. Como nas linhas custom, o modelo também conta com extensa gama de acessórios.