DUAS RODAS

Harley-Davidson Pan America 1250 Special: big trail que dá pé

Sem medo de encarar terra ou grandes distâncias, modelo tem muita tecnologia, motor com 150 cv e sistema que não intimida na altura

02/06/2022. Credito: Harley-Davidson/Divulgação. Harley-Davidson Pan America 1250 Special.

A Harley-Davidson, conhecida pelas grandes motos estradeiras, virou a chave com a big trail Pan America 1250 S. O ousado lançamento, que pretende disputar um concorridíssimo segmento e conquistar uma tribo completamente oposta, exigiu um projeto pra lá de convincente. Para tanto, a engenharia da marca queimou fosfato e não economizou na tecnologia, nos componentes, nos materiais e na eletrônica, produzindo um modelo capaz de entrar na briga com muita autoridade, e, principalmente, eficiência.

Produzida em Manaus (AM), a versão top de linha, 1250 Special, mais sofisticada, chega ao mercado com preço sugerido de R$ 139.995 incorporando durante o lançamento equipamentos extras como o genial sistema ARH, que rebaixa a moto automaticamente nas paradas. Outro destaque é o motor, totalmente novo, batizado de Revolution Max.

Em comum com a linha estradeira, há apenas a arquitetura de dois cilindros em V. Porém, o “vedoizão” da Pan America 1250 Special faz parte do quadro para compactar as dimensões e reduzir o peso. Conta ainda com inclinação de 60 graus, refrigeração líquida, quatro válvulas por cilindro, duplo comando, pistões forjados em alumínio e defasagem de 90 graus no virabrequim.

Além disso, a tecnologia do comando de válvulas variável amplia a potência e o torque em faixas de rotações, o que fornece força em baixos giros, mais adequada para o fora de estrada; além disso, dá vigor em velocidade elevadas nas estradas, por exemplo. A potência conta com uma tropa puro sangue de respeito, com 150 cv a 8.750 rpm. O torque chega a robustos 13 kgfm a 6.750 rpm. Já o câmbio é de seis marchas com embreagem deslizante.

Acelerando a Pan America 1250 Special

Ao girar a chave (na verdade, ela é presencial e pode ficar no bolso) a surpresa começa pelo ronco, que já dá uma ideia da disposição do motor da Harley-Davidson Pan America 1250 Special. A cavalaria e a eletrônica deixam as respostas imediatas, sem reclamação.

Quem comanda tudo é a IMU (Central de medição Inercial), que percebe as inclinações laterais e longitudinais, abertura do acelerador e desaceleração, para ajustar instantaneamente potência, controle de tração, freio motor, freios ABS de curvas e as suspensões eletrônicas semiativas em cinco modos de pilotagem pré definidos e mais dois customizáveis.

O cardápio conta com os mapas de motor Sport, Road, Rain, Off-Road e Off-Road Plus, e mais os Custom A e Custom B, em que o piloto pode montar a sua própria regulagem livremente. Tudo ao alcance dos dedos no punho, ou no próprio painel, que é sensível ao toque, mesmo de luvas.

Suspensões da Harley-Davidson Pan America 1250 Special são semiativas com várias regulagens

Eletrônica ajuda a guiar a Harley-Davidson Pan America 1250 Special

O resultado é que a Pan America 1250 S fica sempre alerta e incrivelmente obediente no fora de estrada. A posição de pilotagem oferece conforto no asfalto, especialmente para longas distâncias, com o para-brisa regulável manualmente em quatro posições em até 45mm, piloto automático, manoplas aquecidas,
monitoramento da pressão dos pneus, assistente de partida em rampas e amortecedor de direção.

O pedal de freio pode ser ajustado na altura em duas posições, e o tanque em alumínio com 21 litros, permite pressionar os joelhos para uma ergonomia mais favorável na terra. Além disso, a transmissão final é por corrente (mais leve) o peito de aço protege das pancadas e o peso já completamente abastecido, atinge 258 kg, bem compatível com o segmento.

Deu pé

A Harley-Davidson Pan America 1250 Special tem o engenhoso sistema ARH (Adaptive Ride Heihgt), que abaixa a moto automaticamente quando ela está parando. O banco, que normalmente está a 830mm do solo, fica entre 2cm e 5cm mais baixo, sem alterar o curso das suspensões. Também é possível regular a velocidade do rebaixamento nos modos curto e longo e ainda bloquear o sistema para pilotos “pernalonga”.

Para quem sofre com a altura das motos big trail, é o fim da síndrome da “falta de chão”, com o apoio dos pés e também da confiança. Ao arrancar, a moto recupera a altura. Porém, o sistema não é de série, mas vai equipar sem custo os primeiros lotes.

A sofisticação das suspensões confirmam a performance do modelo em qualquer piso. Na frente, há garfo Showa invertido com tubos de 47mm. Atrás, sistema mono Showa em balança de alumínio. Ambos têm 190mm de curso. As rodas são em liga leve, com aro de 19 polegadas na dianteira e pneus mistos entre terra e asfalto. Atrás, aro de 17 polegadas. O modelo avaliado ainda tinha rodas raiadas.

Tecnologias

A suspensão detecta o peso (piloto ou piloto e garupa e bagagem) e ajusta a pré carga traseira. Além disso, são cinco regulagens pré definidas: Comfort, Balanced, Sport, Off-Road Soft e Off-Road Firm, que atuam combinados com as exigências dos mapas de motor. Para encarar um fora de estrada sem dó, junto com os mapas off-road, as taxas de amortecimento podem ficar mais macias no início ou fim do curso.

O visual tem desenho inovador, com um bloco óptico diferente, composto de faróis retangulares em LED empilhados. O farol superior é adaptativo e vai acendendo conforme a inclinação da moto em 8º, 15º e 23º, para iluminar a parte interna das curvas.

O painel em tela TFT colorida de 6,8 polegadas é regulável na inclinação e nos modos de exibição e pode ser espelhado ao celular via bluetooth. Os freios, com ABS de curvas, têm duplo disco de 320mm na dianteira, com pinças Brembo radiais de quatro pistões e respostas do manete ajustável. Atrás, há um discão de 280mm, também com pinça Brembo.

Fotos: Harley-Davidson/Divulgação