Moto

Ducati V4S: sem carenagens, mas com asas

Modelo tem motor de quatro cilindros em V com 208 cv de potência e muita eletrônica para facilitar a tocada

Moto Ducati V4S 2022 vermelha de frente
Moto Ducati V4S 2022 vermelha de frente

O aumento vertiginoso da potência dos motores vai obrigando a engenharia das marcas a abusar dos recursos eletrônicos para domar a cavalaria. Por outro lado, para o piloto permanecer no comando em altas velocidades, a aerodinâmica também é fundamental. A Ducati V4S reuniu os dois aparatos.

A ultranaked e street fighter (guerreiro urbano), a Ducati V4S te dá asas e também um motorzão de quatro cilindros em “V”, de 1.103 cm3 e 208 cv. Os recursos aerodinâmicos das asas não são novidade. Desenvolvidos nas pistas do Mundial de MotoGP, rapidamente foram parar nas carenagens dos modelos superesportivos.

Porém, equipar motos “peladas”, sem carenagem (naked), como a Ducati V4S, é uma excentricidade. A inovação, contudo, é necessária. São duas asas invertidas de cada lado que funcionam como aerofólios empurrando a moto contra o chão em altas velocidades melhorando a estabilidade.

As medições apontam que a 270 km/h, as asas da Ducati V4S aumentam a pressão aerodinâmica em 28 kg: são 20 kg na roda dianteira e 8 kg na roda traseira, um alento se o piloto ainda estiver agarrado ao guidão. Entretanto, pilotar a Ducati V4S não exige sacrifício e nem malabarismos como nas esportivas puro sangue, embora a tentação de enrolar o cabo seja semelhante.

Conforto

Surpreendentemente, a pilotagem da streetfighter Ducati V4S oferece conforto. Os semi-guidões (utilizados nas superesportivas) foram substituídos por guidão inteiriço mais largo e alto. O banco tem espuma de 60 mm e fica a 845 mm do chão, além das pedaleiras não tão recuadas, configurando uma ergonomia mais relaxada e divertida na hora de enrolar o cabo ou rodar sem pressa.

A V4S é baseada no míssil superesportivo Ducati Panigale V4, da qual herdou o motor, mas não as carenagens. Única a ser importada oficialmente, a versão “S”, mais sofisticada e topo de linha, tem preço sugerido de R$ 146.990.

O motorzão batizado de Desmosedici Stradale é outro chamariz. A arquitetura em V, inclinado em 90º, permite compactar as dimensões e centralizar as massas. devido ao largo emprego de materiais leves e nobres, como magnésio e alumínio, ele pesa apenas 64,5 kg e abriga, dentro do vão entre as bancadas dos cilindros, a caixa do filtro de ar, com 12,8 litros, e a bomba d ‘água.

Porém, o maciço emprego da eletrônica permite modular a gigantesca potência de 208 cv a 13.000 rpm e o torque de 12,6 kgfm a 9.500 rpm, com o tradicional (e ruidoso) comando de válvulas desmodrômico.

Eletrônica na Ducati V4S

A parafernália eletrônica tem controle de tração em oito níveis, com dois exclusivos para pisos de baixa aderência..O ABS de curvas tem três níveis e permite frear em curvas sem alargar a trajetória. O controle de derrapagem em curvas conta com dois níveis.

A tecnologia da Ducati V4S tem ainda controle de largada em três níveis. É só acelerar, soltar a embreagem e rezar para não falhar Conta ainda com gestão de empinadas, freio motor, quick shift de duas direções para trocar as marchas e reduzir sem usar a embreagem e controle de suspensões.

Todas as funções podem ser selecionadas individualmente, montando um ajuste pessoal. Para facilitar a vida do piloto, a Ducati V4S tem três modos de pilotagem fixos: Racing, Sport e Street, que reúne em um pacote os vários sistemas.

Telinha

A iluminação é em LED, minimalista, com micro-faróis destoando do conjunto. Já o painel em tela TFT colorida de 5 polegadas de diâmetro é o mesmo da superesportiva Panigale V4 S, que permite exibição com layout pista incluindo o tempo de volta, com tacômetro em destaque. A configuração “estrada” tem as informações de praxe e o conta-giros com shift-light que vai mudando de cor.

A telinha do painel da Ducati V4S também pode ser espelhada ao celular e seus aplicativos, além de mostrar as várias configurações de motor e suspensões. Neste item, mais eletrônica, com funcionamento semi-ativo. Na dianteira garfo invertido Ohlins com 43 mm de diâmetro e 120 mm de curso. Atrás, sistema mono em monobraço em alumínio (fixado no motor) Ohlins com 130 mm de curso.

Ducati V4S dá asas e também refresco

Se a Ducati V4S é um canhão na hora de acelerar, permite rodar no trânsito com uma ajudinha. O quadro tem o motor como parte integrante, reduzindo o peso para apenas 178 kg a seco. Além disso, a bancada traseira do motor desliga, quando a temperatura passa (fácil e a todo instante) dos 75 graus, para não “fritar” o piloto de baixo para cima.

As rodas são em alumínio forjado Marchesini com aros de 17 polegadas, calçadas com pneus esportivos Diablo Rosso Corsa II, que possibilitam um comportamento mais preciso nas curvas.

Já os freios garantem as traquinagens. Na dianteira dois discos de 330mm de diâmetro com pinça Brembo Stylema monobloco de fixação radial e quatro pistões. Na traseira, disco de 245 mm com pinça Brembo de dois pistões. Ambos têm ABS cornering.

Assista ao vídeo e saiba do que a Ducati V4S é capaz: