UAI
Malas a jato

Já imaginou enormes motos de turismo na pista? Pois isso já existe!

A curiosa competição King of the Baggers reúne nas pistas as improváveis motos de turismo, com direito a malas e carenagens, em um surpreendente efeito visual

Publicidade
SIGA NO google-news-logo
Harley-Davidson Road Glide
Harley-Davidson Road Glide Fotos: Divulgação

Ao juntar o ineditismo com a diversão, o Moto América (que organiza as corridas de motocicletas nos Estados Unidos) criou o King of the Baggers Racing Series. A disputa envolve motos de turismo, com motores do tipo V2, equipadas com malas laterais, carenagem e para-brisas. Esses são modelos enormes, estradeiros, voltados para o conforto e a capacidade de levar a bagagem em longas e pacatas viagens.

A história começou em 24 de outubro de 2020 no tradicional circuito de Laguna Seca, na Califórnia (EUA), com uma prova experimental de oito voltas com as gigantes. Esta era uma entre outras competições do fim de semana. Os modelos foram preparados para a disputa mantendo as típicas características visuais de malas (sem o delivery) e carenagens. A repercussão foi tão grande que, imediatamente, já ficou organizada para o ano seguinte e os demais o campeonato King of the Baggers, algo como 'O rei dos maleiros' ou 'Rei das malas'.

Motos de turismo são preparadas para a pista

 

 

 

 

 

A competição King of the Baggers reúne nas pistas as improváveis motos de turismo, com direito a malas e carenagens.
Indian Challenger RR Foto: Divulgação

O campeonato prevê que as motos tenham motores do tipo V2 e as características touring, como as também americanas Harley-Davidson e Indian, que compõem o grid. O peso mínimo estabelecido é de aproximadamente 280 quilos na balança. Podem participar pilotos de 15 a 55 anos de idade. O campeonato de 2024 vai contar com 16 provas em rodadas duplas, espalhadas por todo os Estados Unidos em conjunto com o Moto America Superbikes Series.

As motos sofrem uma preparação para driblar a vocação original. Para dotar as volumosas dimensões originais de mais agilidade, as pedaleiras são recuadas e elevadas. O guidão mais baixo é alterado, junto com o banco, para uma ergonomia de pilotagem mais agressiva e esportiva. As malas originais são substituídas por outras em fibra de carbono, mais leves e aerodinâmicas, e o quadro adaptado.

As pesadas carenagens igualmente ganham materiais mais leves, com tomadas de ar no lugar da iluminação frontal, assim como o escape substituído por outro redimensionado de competição. Os freios são vigorosamente reforçados e as rodas em liga leve com aros de 17 polegadas (que facilitam as mudanças de direção) são calçadas com pneus de competição para garantir a surpreendente inclinação nas curvas.

As marcas no King of the Baggers Racing Series

A competição King of the Baggers reúne nas pistas as improváveis motos de turismo, com direito a malas e carenagens.
Harley-Davidson Road Glide Foto: Divulgação

A Indian prepara para a competição de turismo o modelo Challenger, versão RR, com motor V2 com 1.770cm³ de cilindrada - equipado com quick shifter de duas direções, eletrônica, arrefecimento líquido, corrente de transmissão final, tampa da embreagem e outros componentes da grife S&S Cycle - entrega cerca de 150cv e torque de 18,1kgfm. A suspensão dianteira é invertida, a suspensão traseira é mono Ohlins com reservatório de expansão separado. Os freios, com duplo disco dianteiro, têm pinças Brembo. A Indian chegou a produzir uma série limitada em 29 modelos com as mesmas características de seu piloto Tyler O'Hara (que competia com o número 29) e primeiro vencedor do King of the Baggers Racing Series. O modelo race réplica foi rapidamente comercializado a um custo de US$ 92 mil, equivalentes a cerca de R$ 460 mil.

A equipe de fábrica da Harley-Davidson utiliza no King of the Baggers Racing Series os modelos Road Glide, com motores V2 Screamin Eagle Milwaukee Eight 131 Performance Crate, com radiador de óleo e modificações. Os motores com 131 polegadas cúbicas, equivalentes a 2.147cm³, são vendidos separadamente pela marca para o público fora das competições, que, porém, desejam mais performance para suas motos de rua. Com oito válvulas, despejam 18,7kgfm de torque e cerca de 140cv de potência. O escape de competição e outros ajustes internos elevam ainda mais os números. As suspensões são Ohlins, invertida na dianteira e com reservatório remoto na traseira. A correia de transmissão original em kevlar é substituída por corrente, com braço articulado em alumínio. As pinças de freios são Brembo.