Fala, Boris!

Great Wall: bom para o consumidor. Mas a concorrência que se cuide…

A GWM é a terceira marca chinesa a investir no Brasil e não se intimidou com fechamento das fábricas da Mercedes e da Ford

GWM adquiriu fábrica que era da Mercedes-Benz GWM adquiriu fábrica que era da Mercedes-Benz em Iracemápolis SP

Mercado de automóveis é assim: a Mercedes alega prejuízo e fecha a fábrica de automóveis de Iracemapólis (SP). Que caiu nas boas graças e foi comprada pela Great Wall Motors (GWM). Com outra proposta: produzir apenas híbridos e elétricos, com muita tecnologia e qualidade, além de preços tentadores como sempre foram os chineses.

A rigor, a GWM é a terceira marca chinesa a investir no Brasil. A JAC tentou uma fábrica no país mas está limitada, por ora, a importar uma  linha de elétricos, automóveis, SUVs, picapes e caminhões.

A segunda foi a BYD, que se instalou inicialmente produzindo baterias, painéis fotovoltaicos e chassis para ônibus e caminhões elétricos, mas está lançando sedãs e SUVs híbridos e elétricos.

A GWM é a maior fabricante privada chinesa de automóveis e já chegou “chegando”: comprou a antiga fábrica da Mercedes-Benz, no interior de São Paulo. Começa a produzir no fim do próximo ano, mas inicia suas operações comercializando neste segundo semestre SUVs e picapes importados da China.

O que atraiu a Great Wall Motors?

Apesar dos altos e baixos, o mercado automobilístico brasileiro está entre os dez maiores do mundo, o que despertou seu interesse em implantar uma fábrica no país.

Parque industrial

Além do tamanho do mercado, essencial também para estabelecer uma produção local é nosso parque industrial. Sob este aspecto, o Brasil conta com um dos maiores e mais modernos do mundo, com fornecedores de componentes e sistemistas de extrema capacidade tecnológica.

As montadoras contam com o fornecimento local das mais importantes empresas mundiais do setor, como Bosch, ZF, Mahle, Continental, Denso, Delphi e outras.

Fábrica pronta

Outra oportunidade que se abriu para a GWM foi a possibilidade de adquirir uma fábrica de automóveis pronta para operar. Os chineses tiveram duas opções: a da Ford, em Camaçari (BA), e da Mercedes, em Iracemápolis. Decidiram pela segunda por suas dimensões mais compatíveis com seu projeto industrial.

A possibilidade de adquirir uma fábrica em condições operacionais foi um grande facilitador para se instalar no Brasil. Primeiro, pela rapidez, pois abrevia consideravelmente o tempo necessário para iniciar suas operações industriais.

Vista aérea da fabrica da Great Wall Motors em Iracemápolis SP
Inaugurada em 2016, fábrica que pertencia à Mercedes-Benz ainda é nova

Segundo, o investimento necessário para comprar uma fábrica pronta é incomparavelmente inferior ao de construir, mesmo diante de adequações para ajustá-la aos seus projetos.

Aliás, além de adquirir a fábrica de Iracemápolis, a GWM comprou também o “passe” de seu ex-diretor industrial, que conhece profundamente todos os detalhes de suas instalações e seu modus operandi.

Exportação

Produzir no país abre excelentes perspectivas de exportação da GWM para toda a América Latina, principalmente para os países do Mercosul e para o México, com quem o Brasil tem um tratado bilateral de comércio.

Com investimentos previstos de R$ 10 bilhões e nacionalização de 60% de seus produtos a médio prazo, a GWM poderá se tornar um dos mais importantes “players” da região.

Expansão

A Great Wall já expandiu suas operações para a Ásia, Australia, Africa do Sul,Tailândia e Rússia. A fábrica no Brasil faz parte de seu projeto global de expansão atingindo uma das mais importantes regiões do mundo.

Great Wall Motors: projeto ambicioso

A vinda da GWM é um projeto ambicioso e que não se intimidou mesmo com o fechamento das fábricas da Ford nem da Mercedes.

A empresa se apoia na crescente qualidade dos automóveis chineses, de sua vantagem pela escala, insuperável supremacia na eletrificação veicular e aposta em novas tecnologias: já declarou intenção de investir na célula a combustível (fuel cell) acionada por hidrogênio obtido do etanol.

Oswaldo Ramos, seu diretor comercial que conhece o mercado brasileiro como a palma da mão, pretende chegar a 130 concessionários até o fim de 2023, oferecendo ao mercado uma gama de híbridos (inclusive os plug-in, carregados na tomada) e puramente elétricos.

E sabe como conquistar uma considerável fatia do bolo não só com preços competitivos mas também com qualidade e tecnologia avançada.

Bom para os consumidores. Mas os concorrentes que se cuidem…

Fotos: Great Wall Motors/Divulgação