Caoa Chery Arrizo 6 Pro é boa opção para quem não exige marca tradicional

Modelo convence como produto, com bom desempenho, acabamento e conteúdo. Porém, segmento dos sedãs médios nunca foi território de marcas emergentes

Caoa Chery Arrizo 6 Pro é boa opção para quem não exige marca tradicional Modelo convence como produto, com bom desempenho, acabamento e conteúdo. Porém, segmento dos sedãs médios nunca foi território de marcas emergentes
Avaliação:

Nos últimos anos o segmento dos sedãs médios foi um território onde os protagonistas pertenciam a marcas que não tinham clientes, mas torcedores. A fama de inquebrável fez o nome de modelos como o Toyota Corolla e o Honda Civic, cujos fiéis proprietários trocavam a geração antiga pela nova. Há quase dois anos, o Caoa Chery Arrizo 6 vem tentando entrar para essa turma da pesada. Ele chegou em meados de 2020, mas no fim do ano passado recebeu um banho de loja e o sobrenome Pro. Enfim, será que o Arrizo 6 Pro tem cacife pra rodar nesse segmento?

Com linhas aerodinâmicas, a dianteira desse sedã é dominada por uma ampla grade cercada pelos faróis em LED, enquanto o para-choque abriga as luzes de rodagem diurna. O capô continua cheio de vincos, assim como as laterais, que marcam a “musculatura” da carroceria. O Arrizo 6 Pro ganhou minissaias que dão a impressão de que o veículo está rebaixado. As rodas são de 17 polegadas. A traseira é limpa, com destaque para as lanternas de LED unidas por um elemento translúcido, além da saída dupla da descarga (que é fake) e a lanterna de neblina. O teto solar é de série.

VIDA A BORDO A primeira coisa que salta aos olhos no Arrizo 6 Pro são as telinhas, presentes no quadro de instrumentos digital – que traz uma inusitada marcação digital do conta-giros – e no sistema multimídia, de 10 polegadas. Abaixo estão os comandos do ar-condicionado, que fica devendo a seleção exata da temperatura.

Outro destaque é o console central, com um porta-objetos fechado (com tomadas USB e de 12V), porta-copos, nicho para carregar o telefone sem o uso de fio, além de um espaço enorme abaixo do apoio de braço. O console ainda traz a alavanca de câmbio tipo joystick, que é bem prática, e o freio de estacionamento acionado por botão, com a função auto-hold.

O painel tem material emborrachado em toda a superfície superior, além de aplique imitando couro. As portas também trazem materiais de toque macio. Os tapetes são acarpetado e até o revestimento do teto tem boa apresentação. Os bancos têm um desenho bonito e são revestidos em couro. Mas, também temos algumas mancadas: o volante tem ajuste apenas em altura; enquanto o banco do motorista tem regulagens elétricas, mas fica devendo a lombar; o banco do carona não tem ajuste em altura; e o retrovisor interno se soltou durante o teste, evidenciando falha no processo de montagem.

O Arrizo 6 Pro tem 2,65 metros de entre-eixos. Apesar da medida não ser uma referência no segmento, o espaço no banco traseiro é bom para até duas pessoas. Os passageiros de trás contam com saídas de ar-condicionado e uma tomada USB. Mas, o espaço não tem iluminação, e o encosto do banco só rebate de forma integral. Segundo o fabricante, o porta-malas tem volume de 570 litros. Além de espaçoso, o acabamento é legal, mas falta carpete na parte de cima do compartimento, que traz iluminação e ainda guarda o estepe (temporário).

RODANDO O motor 1.5 turbo, com até 150cv e 21,4kgfm de torque, entrega uma boa capacidade de resposta em curto tempo. Assim, é possível fazer ultrapassagens seguras, retomadas rápidas e vencer uma ladeira íngreme sem muito esforço. Como boa parte do torque está disponível em baixas rotações, o sedã é ótimo de dirigir na cidade.

O câmbio automático tipo CVT, que simula nove marchas, tem boa gestão e contribui com a performance do veículo. As trocas manuais podem ser feitas na alavanca de câmbio. Dependendo da situação, é possível optar entre dois modos de dirigir: o Eco, que busca manter o veículo com rotações mais baixas para poupar combustível, enquanto o Sport mantém o giro elevado para entregar desempenho.

Porém, de forma geral, a boa performance do motor não permite encontrar um baixo consumo de combustível. Mesmo sem ter uma configuração muito sofisticada, a suspensão mostra evolução, filtrando melhor as irregularidades do asfalto, ao mesmo tempo que dá confiança nas curvas. Já a direção conta com assistência elétrica, leva para manobrar e mais firme em alta velocidade.

EQUIPAMENTOS O Arrizo 6 Pro custa R$ 145 mil, e os itens de série que se destacam são a visão de 360 graus, o alerta de ponto cego, o alerta de tráfego cruzado traseiro, a chave presencial, o comando de climatização à distância, seis airbags, além de controles de estabilidade e tração. A central multimídia não impressiona muito, oferecendo basicamente as mídias, a telefonia e o espelhamento com o smartphone. Mesmo podendo fazer uso de aplicativos, ficou faltando ao menos um sistema de navegação embarcada.

A estratégia da Caoa Chery para tentar convencer os clientes é encher seu sedã médio com itens que dão água na boca do comprador, mas ainda é preciso muito trabalho para se consolidar com uma marca estabelecida no mercado brasileiro, vencer as desconfianças do pós-venda, aumentar sua rede de concessionários e o volume de produção, já que sua linha de produtos tem se mostrado bastante atraente.

De repente, importado!

A Caoa Chery anunciou ontem, horas depois do fechamento do vídeo acima, o fechamento temporário da fábrica de Jacareí (SP), com o objetivo de adequar a estrutura para a produção de veículos eletrificados. Com a decisão, o Arrizo 6 Pro passa a ser importado, o que não muda tanto a sua realidade, já que o sedã tinha apenas 30% de nacionalização, percentual que não evoluiu nos últimos dois anos. Ainda não sabemos qual o impacto disso no preço do modelo, mas a marca garantiu que o fornecimento de peças e manutenção será honrado.

De qualquer forma, esse tipo de atitude não contribui com o principal desafio que sempre falamos sobre os veículos da Caoa Chery, que é vencer a desconfiança do cliente com uma marca emergente. E, atitudes como mudar o visual dos modelos com menos de dois anos de lançamento, trocar configuração mecânica e tornar modelos “nacionalizados” (com direito a adesivo “Fabricado no Brasil” colado no vidro) abruptamente importados, não é o melhor caminho.

FICHA TÉCNICA

MOTOR
Dianteiro, transversal, quatro cilindros em linha, 16 válvulas, 1.499cm³ de cilindrada, flex, que desenvolve potências máximas de 147cv (gasolina) e 150cv (etanol) a 5.500rpm, e torque máximo de 21,4kgfm entre 1.750rpm e 4.000rpm (g/e)

TRANSMISSÃO
Tração dianteira, com câmbio automático tipo CVT que simula nove velocidades

SUSPENSÃO/RODAS/PNEUS
Dianteira, independente, McPherson, com barra estabilizadora; e traseira tipo barra de torção, com barra estabilizadora / de liga leve, com 6,5 x 17 polegadas / 205/50 R17

DIREÇÃO

Do tipo pinhão e cremalheira, com assistência elétrica

FREIOS
A disco nas quatro rodas, ventilados na dianteira e sólidos na traseira, com ABS e EBD

CAPACIDADES

Do tanque, 48 litros; porta-malas, 470 litros; e de carga útil (passageiros mais bagagem), 397 quilos

DIMENSÕES
Comprimento, 4,67m; largura, 1,81m; altura, 1,49m; e distância entre-eixos, 2,65m; altura em relação ao solo, 14,8cm

PESO
1.364 quilos

DESEMPENHO
Velocidade máxima: ND
0 a 100km/h: 9,1 segundos (e)

CONSUMO (*)

Cidade: 11km/l (g); 7,6km/l (e)
Estrada: 13,3km/l (g); 9,4km/l (e)

Dados dos fabricantes
(*) Dados do Inmetro
ND: Não divulgado
(g): gasolina
(e): etanol

EQUIPAMENTOS

DE SÉRIE
Luz diurna de rodagem; faróis em LED com ajuste elétrico de altura; lanterna de neblina; lanternas em LED; luzes de direção nos retrovisores; rodas de 17 polegadas; airbags frontais, laterais e de cortina; Isofix; controle de estabilidade e tração; indicador de pressão e temperatura dos pneus; bancos com revestimento premium; para-sóis com espelho; acendimento automático dos faróis; ar-condicionado com saídas de ar para os ocupantes traseiros; assistente de partida em aclives; ajustes e rebatimento elétricos dos retrovisores; volante com regulagem de alturas; sensor de estacionamento traseiro; banco do motorista com ajustes elétricos; banco traseiro com encosto rebatível; vidros elétricos; teto solar; chave presencial; comando de climatização à distância; câmeras de visão 360 graus; quadro de instrumentos digital; sistema multimídia; freio de estacionamento com acionamento por botão com função auto-hold; monitoramento de ponto cego; alerta de tráfego cruzado traseiro; e luz ambiente.

OPCIONAL
Pintura perolizada (R$ 1.500).

QUANTO CUSTA?
O Caoa Chery Arrizo 6 Pro é vendido em versão única, com preço sugerido de R$ 144.990. Com o opcional descrito, a unidade testada custa R$ 146.990.