Crash test

Órgão de segurança viária quer fazer teste de colisão subaquático

Novo tipo de crash test quer assegurar que ocupantes consigam escapar de carros que caem em cursos d'água durante acidentes

Publicidade
Automóvel Ford Ka quase totalmente submerso nas águas da Lagoa da Pampulha, em Belo Horizonte
Acidentes que provocam submersão do veículo não são comuns, mas têm grande potencial de morte Foto: Jackson Romanelli/EM/D.A Press

O ANCAP, órgão independente de segurança viária que atua na Austrália, anunciou que incluirá um novo tipo de teste de colisão, também conhecidos como crash tests, entre os próprios protocolos a partir de janeiro de 2023. O objetivo é fazer uma espécie de submersão, para simular acidentes nos quais os veículo cai em um curso d’água.

É a primeira vez que se tem notícia sobre um teste de segurança viária desse gênero. Para obter a classificação máxima de cinco estrelas, o veículo deve permitir a abertura das portas e dos vidros elétricos da janelas por um período de, no mínimo, 10 minutos após a submersão, de modo a assegurar que os ocupantes consigam sair ilesos do habitáculo.

O órgão de segurança viária informa que fabricantes de veículos que não atenderem a esse critério deverão oferecer algum meio de escape para os ocupantes de um veículo submerso: pode ser, por exemplo, um sistema manual de abertura das janelas ou até mesmo algum recurso que permita quebrar os vidros. As informações são do site Autoblog.

Acidentes nos quais os ocupantes ficam presos em veículos submersos são muito perigosos. Isso porque a pressão da água, principalmente em profundidades mais elevadas, dificulta muito a abertura das portas e das janelas. Além do mais, ao se depararem com esse tipo de situação, as vítimas podem entrar em pânico e, assim, enfrentarem dificuldade ainda maior para escapar.

Felizmente, trata-se de um tipo bastante incomum de acidente. Segundo o NHTSA (National Highway Traffic Safety Administration), órgão de segurança viária dos Estados Unidos, que divulga estatísticas detalhadas sobre mortes no trânsito, menos de 1% das fatalidades ocorridas na malha viária do país entre 2004 e 2007 envolveram queda de veículos em cursos d’água: esse percentual corresponde a 384 óbitos.

Teste subaquático de segurança viária chegará ao Brasil?

Embora ainda não exista notícia de outras realizações de testes de segurança viária subaquáticos, a tendência é que essa iniciativa se espalhe para outros países. Afinal, o ANCAP faz parte do Global NCAP tem ramificações por vários continentes, inclusive na América do Sul: o órgão local é o Latin NCAP, sediado no Uruguai.

Você sabe como funcionam os airbags dos carros? Assista ao vídeo e descubra!