O futuro é elétrico

Ford anuncia nova agenda de eletrificação, com meta de atingir 600 mil EVs em 2023

A empresa espera que a sua taxa de crescimento anual de EVs ultrapasse 90% até 2026

Imagem ilustrativa com modelos elétricos da Ford e suas respectivas quantidades produzidas de acordo com a meta da Ford.
O Mustang Mach-E, o F-150 Lightning, E-Transit e o novo SUV são os modelos elétricos que fazem parte do plano da Ford Foto: Ford/Divulgação

Incentivada pela tendência global de eletrificação e pela crescente demanda por novos carros elétricos, a Ford anunciou uma série de iniciativas voltadas a incrementar essa área do segmento automotivo. 

O plano da montadora é atingir um ritmo anual de produção de 600 mil veículos elétricos no fim de 2023. Além disso, para o fim de 2026, planeja-se uma média de 2 milhões. Para isso, ela também estipulou garantir quantidade suficiente de suprimento de baterias e matérias-primas necessários para as fabricações.

Como parte do projeto Ford+, a empresa espera que a sua taxa de crescimento anual de EVs ultrapasse 90% até 2026. Isso seria mais que o dobro do crescimento previsto para a indústria global.

“O nosso time ‘Model e’ moveu-se com velocidade, foco e criatividade para garantir a capacidade de suprimento de baterias e matérias-primas de que precisamos para fornecer veículos elétricos inovadores para milhões de clientes”, afirmou Jim Farley, presidente e CEO da Ford e presidente da Ford Model e.

Quanto ao orçamento para financiar essa agenda, a Ford planeja investir mais de U$ 50 bilhões até 2026.

Além disso, ao fomentar a eletrificação, a marca finca os seus compromissos com a sustentabilidade e os direitos humanos. E, claro, ela contribui, também, para o marco da neutralidade global de carbono estipulado para 2050.

Modelos elétricos da Ford

Para atingir a sua meta até o fim de 2023, a Ford trabalhará com os seguintes modelos:

• 270 mil Mustang Mach-E para a América do Norte, Europa e China;

• 150 mil F-150 Lightning para a América do Norte;

• 150 mil Transit elétricas para a América do Norte e Europa;

• 30 mil unidades de um novo SUV para a Europa, cuja produção aumentará significativamente em 2024.

As baterias para os EVs

A Ford está adicionando a química de células de bateria de fosfato de ferro-lítio (LFP), juntamente com a química existente de níquel cobalto manganês (NCM), para equipar seus EVs. Isso traz ainda mais capacidade para produtos de alta demanda, pois oferece mais anos de operação.

Além disso, essa alteração reduz a dependência de minerais críticos escassos, como o níquel. Assim, tem-se uma economia de 10% a 15% nos materiais da baterias, considerando os custos atuais do níquel.

A empresa confirmou, também, que já garantiu 100% da capacidade anual de células de baterias – 60 gigawatts-hora (GWh) – para 2023. Ela vem trabalhando com as principais empresas do setor no mundo. Dentre elas, estão: a CATL, a LG Energy Solution e a SK On.

Já para 2026, com o propósito de 2 milhões de EVs, a marca já atingiu cerca de 70% da capacidade necessária de células de bateria.

Segundo Lisa Drake, vice-presidente da Ford Model e, o time já está ativamente envolvido com parceiros de todo o mundo para a concretização das metas.

“Vamos nos mover rapidamente nos principais mercados e regiões onde suprimentos críticos estão disponíveis, nos reunindo com funcionários do governo, empresas de mineração e processadores e assinando memorandos de entendimento e acordos que refletem as expectativas ESG da Ford e sustentam o nosso plano de levar os VEs para milhões”, afirma ela.

Quanto aos minerais necessários para a fabricação das baterias, a Ford anunciou que está trabalhando com grandes aliados do segmento de mineração. Eles incluem a Vale Canada Ltd, a PT Vale Indonesia, a Huayou Cobalt e a BHP.

Demanda pelos elétricos

Segundo pesquisa da empresa EY, pela primeira vez, a maioria dos consumidores que pretendem comprar um novo carro nos próximos dois anos diz que escolherá um elétrico ou híbrido.

O aumento é de 11% comparado ao ano passado e de 22% frente a 2020.

Além disso, uma pesquisa da Ford Pro mostrou que, entre os os clientes comerciais que ainda não usam EVs, 60% planejam adotá-los dentro de dois anos.

Para estimular ainda mais a demanda, a Ford afirma estar atuando para tornar o veículo elétrico mais acessível. Ela vem eliminando as barreiras à sua adoção – como a recarga e o custo – e melhorando a experiência de compra do cliente.

Confira o último teste do VRUM com um veículo Ford: