Chevrolet Impala 1960 exibe estilo clássico que conquistou os EUA

Conheça a história do Impala, um dos modelos mais emblemáticos da Chevrolet. Colecionador preserva versão sedã quatro portas de 1960 totalmente original

Chevrolet Impala 1960 exibe estilo clássico que conquistou os EUA Conheça a história do Impala, um dos modelos mais emblemáticos da Chevrolet. Colecionador preserva versão sedã quatro portas de 1960 totalmente original

Mais de 13 milhões de unidades foram vendidas desde 1958

Lançado em 1958, o Impala é um dos carros mais emblemáticos da Chevrolet, ao lado de Corvette e do Camaro. Na estreia, a alcunha “Impala” identificava a versão topo de linha do Bel Air, disponível somente nas carrocerias cupê e conversível. No ano seguinte, com a chegada do sedã esportivo, além de outro quatro portas e a station wagon, tornou-se o modelo mais luxuoso da marca.

 

O Impala caiu no gosto americano e desde o lançamento mais de 13 milhões de unidades foram vendidas. O modelo 1965 preserva um recorde: vendeu 1 milhão de unidades apenas naquele ano. No Brasil, foi importado oficialmente pela GM nos anos 1960 e 1970.

Assista ao vídeo com o Chevrolet Impala 1960:

https://youtube.com/watch?v=Wb2i3KukG54%3Frel%3D0

 

No fim da década de 1950, a Chevrolet se rendeu ao gigantismo dos veículos americanos e fez um topo de linha para concorrer com os rivais. No Impala, “tamanho é documento” e o comprimento passava dos 5,30m, com detalhes extravagantes, como a traseira no estilo “rabo de peixe”, faróis duplos e lanternas triplas, que viraram símbolo do carro. E claro, muitos cromados e referências à indústria aeronáutica e à corrida espacial, graças à Nasa, fundada no mesmo ano.


ESTILO Além do estilo marcante, o modelo se destacou pelo desempenho esportivo numa carroceria tradicional e preço mais acessível. Tanto que o emblema original exibe um antílope pulando com uma bandeira quadriculada e outra com a flor de lis e a gravata Chevrolet, uma referência às pistas e semelhante ao logotipo do Corvette. Havia opção de motores de seis cilindros, V8 de bloco pequeno, 185cv, e V8 de bloco grande 5.7, com potência de até 230cv.

Alavanca de câmbio na coluna de direção e banco inteiriço para três ocupantes

Em 1959, o modelo chegou à segunda geração e foi radicalmente reformulado, com design típico do início da década seguinte. O Impala cresceu no comprimento e na distância entre-eixos. A opção topo de linha do motor V8 Super Turbo-Thrust Special passou a contar com três carburadores de corpo duplo e escapamento duplo, capazes de elevar a potência para 350cv.

O painel também é inspirado na aviação, com cinco mostradores circulares, com destaque para o velocímetro central. O volante tem dois aros, no formato de bumerangue, com orifícios circulares e o símbolo do veículo ao centro.

Traseira no estilo ‘rabo de peixe’ é marca registrada do Impala e marcou época

No ano seguinte, teve ligeira reestilização na dianteira e traseira. É dessa safra o modelo da reportagem, pertencente ao colecionador Marleno Pereira Lobato, de Belo Horizonte. O veículo é a versão de entrada, equipada com o motor Hi-Thrift 6  Powerglide, um 3.8 de seis cilindros em linha de 135 cavalos de potência e torque de 22,13 kgfm. O câmbio é manual de três velocidades.

São impressionantes 5,35m de comprimento, e entre-eixos de 3,02m. Os dois bancos inteiriços levam seis pessoas com bastante espaço e o porta-malas é enorme. Relógio elétrico, luz de advertência do freio de estacionamento, luz no porta-luvas e luzes de ré são itens de série. Ar-condicionado, direção hidráulica e rádio são opcionais. O freio de estacionamento é acionado por pedal e a alavanca do câmbio fica na coluna de direção.

TRAJETÓRIA O modelo foi adquirido há 20 anos por Marleno Pereira Lobato, que é o terceiro proprietário, na troca por um Chevrolet 1939. O carro nunca foi restaurado e conserva todos os detalhes originais. A exceção é a pintura nova. Utilizado apenas nos fins de semana e em encontros de antigos, Lobato já até encarou viagens para participar desses eventos. Tanto que no porta-malas estão os equipamentos de “trabalho” do colecionador: duas cadeiras de praia. “Ele anda muito bem e tenho até que controlar, pois o velocímetro é em milhas é já fui multado muitas vezes por confundir a velocidade”, comenta.

Na segunda geração, Impala cresceu no comprimento e na distância entre-eixos

 

Os detalhes que remetem à indústria aeronáutica e as curvas exageradas encantam o proprietário. “Esse veículo lembra minha infância, na Belo Horizonte da década de 1960. Antes, cada fabricante tinha um estilo e, quanto mais enfeitado, mais bonito o carro era. Hoje os carros são todos iguais”, diz Lobato.

 

IMPALA SS

Em 1961, o Impala debutou a terceira geração com linhas retilíneas. Naquele ano surgiu outro mito da GM, a versão Super Sport (SS), disponível nas carrocerias cupê e conversível. O câmbio era manual no assoalho e chassi e os freios foram reforçados para o motor 348 V8 Turbo-Thrust 5.7, com potências de 208cv a 350cv. Havia ainda o mítico 409 V8 TurboFire 6.7, de 360cv, que virou até nome de música da banda The Beach Boys. A potência máxima chegou aos 430cv numa versão 7.0, lançada em 1963.

 

A quarta geração chegou em 1965, e fez tanto sucesso que detém outro recorde: o Impala vendeu mais de 1 milhão de unidades nos Estados Unidos naquele ano. É o modelo mais vendido em apenas uma temporada na história.

Faróis duplos e excesso de cromados marcam o modelo topo de linha da Chevy

 

No ano seguinte, a Chevrolet introduziu o Caprice, que tomou o lugar do Impala como modelo topo de linha da marca. Mesmo assim, o veículo seguiu firme nas vendas na quinta geração (1971-1976), mas perdeu espaço na sexta (a partir de 1977) até sair de linha em 1985.

 

O Impala ressurgiu em 1994 na versão SS, com motor V8 5.7 de 260 cavalos. A sétima geração durou até 1996. Uma nova ressurreição ocorreu em 2000 e o modelo continua em linha desde então. Na atual 10ª geração, o sedã é vendido com os motores 3.6 V6, de 305cv, e o quatro cilindros 2.5 LCV Ecotec, de 196cv. Para este ano está prevista uma versão com motor bicombustível, gasolina e gás natural.

Painel é inspirado na aviação, com cinco mostradores circulares

FICHA TÉCNICA
Chevrolet Impala 1960 Sedã 4 Portas

» Motor
235 Hi-Thrift 6 Powerglide, dianteiro, longitudinal, de seis cilindros em linha, 3.859cm³ de cilindrada (235 polegadas cúbicas) a gasolina. Potência máxima de 135cv e torque de 22,13kgfm

» Transmissão
Tração traseira, câmbio manual de três marchas

» Suspensão/Rodas

Dianteira, molas helicoidais com juntas articuladas independentes; traseira, molas semi-elípticas com eixo de Dion/7.5 x 14

» Direção
Hidráulica (opcional)

» Freios
Tambor nas quatro rodas

» Capacidades
Seis passageiros; tanque, 76 litros; peso, 1622 kg; porta-malas, 850 litros; tanque, 76 litros

» Dimensões (metros)
Comprimento, 5,354; largura, 2,03; altura, 1,37; entre-eixos, 3,02

» Desempenho*
Velocidade máxima, 147km/h; aceleração até 100km/h, 17,8s; consumo cidade/estrada (km/l): 4,4/6,1 (* dados do Automobile-Catolog)

» Peso
1.622kg

» Preço em 1960
US$ 2.697 (equivalentes a US$ 21,6 mil atualmente)

 

235 Hi-Thrift 6 Powerglide: seis cilindros e 135 cavalos
Comprimento: 5,354 m
Lanternas traseiras triplas: um detalhe típico dos Impalas
Veja mais fotos!

VEJA FOTOS DO IMPALA 1960