Publicidade

Estado de Minas

Festival de multas irregulares pelo Brasil

Após reportagem do Vrum, vários casos de multas 'bizarras' surgiram, como um Gol a 4.800 km/h, provando que erros dos órgãos que fiscalizam o trânsito são mais comuns do que imaginamos


postado em 03/02/2012 18:50 / atualizado em 04/02/2012 08:11

Proprietário do Omega aproveitou o ciclista atrás do carro para dizer que empurrava o veículo em um aclive
Proprietário do Omega aproveitou o ciclista atrás do carro para dizer que empurrava o veículo em um aclive
Na última quarta-feira (01), o Vrum mostrou a absurda história de um motociclista de Campo Grande que foi multado por não usar cinto de segurança na Honda Biz que pilotava. Com a repercussão do caso, vários outros absurdos apareceram na internet.

 

O consultor jurídico de direito de trânsito, Marcus Augustos, enviou alguns casos de multas indevidas ao Vrum.


Pelo visto, ocorrências inusitadas como a do Mato Grosso do Sul são bem comuns. Para a prefeirura de Juazeiro (BA), o condutor de uma motocicleta Yamaha YBR 125 cometeu uma infração também por pilotar o veículo sem o uso de cinto de segurança.


Situação inversa a essa também aconteceu em Fortaleza. O condutor do Fiat Uno foi multado por não usar capacete. Na descrição da multa, há a informação de que o item de segurança é de uso obrigatório no veículo.


Mas outros casos tão bizarros quanto esse apareceram, como em Blumenau (SC), onde o proprietário de um Volkswagen Gol foi autuado por trafegar em velocidade de 4.800 km/h em uma via onde a velocidade máxima permitida é de 40 km/h.

Em Santa Catarina, órgão notificou um Gol por estar a uma velocidade quase quatro vezes maior que a do som
Em Santa Catarina, órgão notificou um Gol por estar a uma velocidade quase quatro vezes maior que a do som


Já em Quixeramobim, no Ceará, o proprietário de um Fiat Uno Mille Way recebeu uma multa por alta velocidade, mas a foto impressa no documento era de um Crossfox.


Provando o próprio veneno

O caso mais exótico que chegou ao Vrum nesta semana foi o da Companhia de Engenharia de Tráfego de São Paulo (CET) que enviou uma notificação ao proprietário de um Fox por rodar em dia e local proibido pelo sistema de rodízio de placas de São Paulo, mas a foto do documento era de um veículo da própria CET.

CET multa um Fox, mas a foto do infrator mostra um carro da própria companhia
CET multa um Fox, mas a foto do infrator mostra um carro da própria companhia


Pegando carona no erro alheio

Há pessoas que cometem infrações e aproveitam situações pertinentes para tentar sair fora da responsabilidade, como ocorreu em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo. Ao receber em casa a multa de alta velocidade , o proprietário de um Chevrolet Omega (foto no alto) aproveitou a imagem de um homem atrás do veículo na foto e entrou com recurso alegando que estava empurrando o veículo que estava com pane. Nem que fosse um halterofilista, ele conseguiria empurrar o sedã a 68 km/h. Não teve jeito, o proprietário do Omega teve que pagar os R$ 127,69 de multa. A prefeitura de Ribeirão Preto esclareceu o mistério do 'Super-Homem'. Ampliando a imagem, percebe-se um guidom de bicicleta, ou seja, a câmera do radar fotografou o infrator que acabara de passar pelo ciclista.


No Distrito Federal, o Departamento de Estradas e Rodagens (DER) enviou uma notificação de infração por velocidade acima da máxima permitida a uma proprietária de um Fiat Palio Economy. Ao abrir a correspondência, o susto ao ver um veículo de resgate do Corpo de Bombeiros. O caso é recente e ainda está em prazo de recorrer.


Segundo o consultor jurídico Marcus Augustos, nesses casos o condutor deverá entrar com um pedido de defesa da multa assim que a notificação chegar na residência. A multa deverá ser anulada por inconsistência de dados.

A multa foi para um Palio, mas a foto é de uma ambulância do Corpo de Bombeiros(foto: Fotos: arquivo pessoal)
A multa foi para um Palio, mas a foto é de uma ambulância do Corpo de Bombeiros (foto: Fotos: arquivo pessoal)





Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade