Pare e siga

Honda PCX 150 oferece itens de conforto para o trânsito urbano

Scooter é equipado com mordomias urbanas como câmbio automático e porta-malas, e inclui ainda o inédito sistema inteligente que desliga o motor quando parado no trânsito

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 21/11/2012 14:05 Téo Mascarenhas /Estado de Minas

Honda/Divulgação

Vai chegar ao mercado nacional em abril de 2013 o scooter Honda PCX 150, produzido em Manaus, Amazonas, equipado com sistema que leva o pomposo nome Idling Stop System, traduzido simploriamente como o popular pare e siga. Já presente em automóveis modernos, o sistema desliga o motor quando parado sem qualquer aceleração por mais de três segundos, religando automática e imediatamente quando o piloto gira o acelerador. Situação muito comum no trânsito intenso das grandes cidades, seu hábitat, repletas de semáfaros, e situações de pare e siga. O dispositivo, além de economizar combustível, provoca um positivo e desejado efeito colateral, reduzindo as emissões de poluentes.

O novo PCX 150 é o segundo scooter na linha Honda Brasil, depois do Lead 110, porém, equipado com motor convencional. No mercado europeu, onde o uso dos scooters é bastante difundido, o PCX 150 e seu irmão PCX 125 disputam a liderança no segmento. No Brasil, as opções e modelos são restritos, mas, por sua praticidade urbana, agilidade e facilidade de pilotagem, o scooter vai conquistando o consumidor nacional, embora o preço, exatamente por falta de uma maior escala comercial, ainda seja uma poderosa barreira. Exatamente o fator ainda não definido pela Honda, apesar do status de nacional do novo scooter.

MORREU O motor do PCX 150 tem um cilindro de 153cm³, equipado com duas válvulas, injeção eletrônica e refrigeração líquida, que fornece 13,6cv a 8.500rpm e torque de 1,43kgfm a 5.250rpm. Entretanto, a estrela é o sistema inteligente que desliga o motor, ou, popularmente, o faz morrer. Depois de parado por três segundos, o processador entende que o piloto está em um sinal de trânsito, por exemplo, e desativa o propulsor. Nesse instante, acontece uma operação inversa, preparando o motor para ser religado imediatamente. Um descompressor automático entra em operação, ao mesmo tempo em que um motorzinho elétrico reposiciona o pistão para que fique no ponto exato e mais favorável para entrar imediatamente em funcionamento.

O túnel central encorpa o visual, mas dificulta embarque e desembarque - Honda/Divulgação O túnel central encorpa o visual, mas dificulta embarque e desembarque


O resultado é tão suave que o piloto menos atento pode nem perceber a operação, quando o motor desliga e liga sozinho. Entretanto, uma luz no painel monitora a função, que também pode ser desligada, por meio de controle no guidão. Porém, segundo a montadora, o modelo europeu equipado com o mesmo sistema atingiu a marca de 44,6km/l, aferidos pelas normas do World Motorcycle Test Cycle (WMTC). O modelo brasileiro, em função dos ajustes para consumir nosso combustível batizado com etanol, vai apresentar índices diferentes, embora também positivos, assim como a benéfica redução nas emissões de poluentes, pelo simples fato de ficar parte do tempo desligado.

VISUAL Para aumentar a eficiência do motor, a montadora reduziu os índices de atrito das partes internas móveis usando materiais de última geração. O PCX 150 tem os requisitos básicos dos scooters tradicionais, como a partida elétrica e câmbio automático do tipo continuamente variável, para facilitar a pilotagem no dia a dia dos centros urbanos. Também conta com um útil porta-malas sob o banco, que comporta um capacete fechado e um porta-luvas no escudo dianteiro. Entretanto, a parte central elevada, como uma espécie de túnel, dificulta o embarque e desembarque, situação corriqueira nos deslocamentos urbanos, especialmente para o público feminino, deixando a posição de pilotagem ligeiramente mais parecida com a das motocicletas.

O painel tem o velocímetro analógico em destaque, além de mostrador do nível de combustível e as luzes de advertência, incluindo o sistema pare e siga. Falta, porém, o relógio de horas. O conjunto óptico dianteiro domina toda a frente, conferindo volume ao scooter, que tem visual inspirado na sport touring VFR 1200. O tanque comporta 5,9 litros e o quadro tem tubos de aço em sua estrutura. O freio dianteiro é a disco, com 220mm de diâmetro, mas o traseiro é a tambor, com 130mm. O conjunto tem o sistema de frenagem combinada. A suspensão dianteira é telescópica com tubos de 31mm e 100mm de curso. A suspensão traseira tem duplo amortecedor com 75mm de curso. As rodas são de liga leve, com aros de 14 polegadas de diâmetro.


Painel tem o velocímetro analógico, porém falta relógio de horas - Honda/Divulgação Painel tem o velocímetro analógico, porém falta relógio de horas

Encontre seu veículo
O ano inicial não pode ser maior que o ano final.
O preço inicial não pode ser maior que o preço final.

Refinar busca

Ultimas Notícias

ver todas
28 de junho de 2015
14 de junho de 2015
08 de junho de 2015
07 de junho de 2015
01 de maio de 2015