Teste

Chevrolet Onix 1.4 LTZ - Esse merece a gravata

Versão topo de linha é muito bem equipada, mas preço supera a barreira dos R$ 40 mil. Airbag duplo e ABS são de série e a garantia é de três anos sem limite de quilometragem

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 15/12/2012 19:45 / atualizado em 15/12/2012 19:57 Paulo Eduardo /Estado de Minas

Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press
 

 

Há tempos a GM não lançava um hatch compacto, fora a linha premium, de tão boas características. Esse compacto surpreende pelos detalhes que interessam à maioria dos usuários. As linhas são harmônicas e bonitas e o consumo do motor 1.4 flex é baixo. Os pequenos deslizes são compensados pelo bom acerto do conjunto.

 

Traseira limpa com a gravata dourada no centro da tampa e lanternas nas extremidades da carroceria incremental visual - Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press Traseira limpa com a gravata dourada no centro da tampa e lanternas nas extremidades da carroceria incremental visual
 

 

O Chevrolet Onix faz jus à tradição da marca americana. O modelo é construído sobre a plataforma denominada GSV – sigla em inglês de veículo global compacto –, que também é usada pelo monovolume Spin, o Cobalt e o Sonic. O carro é o sucessor do Corsa. E que sucessor! A GM finalmente consegue colocar no mercado um modelo de alto nível para o segmento com linhas bonitas e harmônicas, que faz jus à estirpe Chevrolet. O senão é logotipo dourado da marca, que carece de modernização. A gravata dourada fica grande no Onix.

Se as linhas convencem, quando se entra no carro há muitas surpresas agradáveis: a começar pelo bom espaço interno, principalmente para as pernas no banco traseiro, a maioria dos comandos está bem posicionada e não há sensação de claustrofobia. Porém, a visibilidade lateral traseira é limitada pela largura da coluna C, faltam apoio de cabeça e cinto de três pontos retrátil para o ocupante do assento traseiro central e o volante tem apenas regulagem de altura. Falta a de distância. O puxador da porta é baixo e comandos dos vidros no apoio de braço estão recuados.

Linha de cintura ascendente no sentido da traseira - Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press Linha de cintura ascendente no sentido da traseira


DIRIGINDO A altura do banco dianteiro, até na posição mais baixa, é alta como nos monovolumes. O motorista fica sempre em posição elevada. Apesar de haver apenas regulagem de altura do volante, a posição de dirigir é facilmente encontrada. Os engates do câmbio precisos e leves facilitam a troca das marchas. O motor 1.4 responde bem aos comandos e é econômico. Dirigindo nas velocidades estabelecidas pela lei é fácil marcar 15km/l na estrada e cerca de 10km/l na cidade com gasolina.

A suspensão está muito bem calibrada e a engenharia acertou na escolha dos pneus 185/65 (de perfil alto) para a versão LTZ, a topo de linha. A vantagem é transferir menos as imperfeições do solo para o habitáculo, aumentando o conforto em pisos irregulares. Apesar da moda do perfil baixo, é inegável o aumento de conforto quando há mais borracha do que metal no conjunto roda/pneu. O comportamento dinâmico é previsível em todas as situações, evitando sustos e situações de pânico para o motorista. A direção está muito bem calibrada, inclusive para as manobras. O porta-malas é o maior da categoria dos hatches compactos. O Onix tem também uma caixa de impacto dentro dos para-choques. Trata-se de dispositivo deformável que absorve impactos sem transferi-los aos passageiros.

E para os jovens e consumidores antenados, como denomina a GM, o sistema multimídia MyLink de série nesta versão permite trazer músicas, fotos, vídeos e aplicativos de celular para dentro do carro, além das ligações telefônicas por bluetooth. Aliás, todos os itens de segurança, conforto e aparência são de série na versão LTZ. Há muitos acessórios e kits de personalização à venda na rede de concessionários. O Onix é um ótimo automóvel e o grande número de unidades vendidas do carro recém-lançado é prova disso.

Volante de três raios sem comandos do som e quadro de instrumentos com fundo azul - Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press Volante de três raios sem comandos do som e quadro de instrumentos com fundo azul


Avaliação técnica
Acabamento da carroceria

As portas não têm friso protetor. A qualidade da pintura é satisfatória. O capô está desalinhado em relação às bases da coluna A e para-lamas, além de descentralizado. As quatro portas estão desniveladas entre si e a carroceria, além de ter folgas fixas diferentes entre os dois lados. A tampa traseira está descentralizada. REGULAR

Vão do motor
O capô tem ângulo de abertura satisfatório. O vão tem aspecto limpo e organizado. O resultado em insonorização aceitável em relação ao habitáculo. O acesso à manutenção é limitado na parte posterior do motopropulsor. Os itens de verificação constante têm fácil identificação e manuseio. REGULAR

Altura do solo
Toda a zona inferior do motopropulsor tem proteção em aço vazada. Não ocorreram interferências com o solo numa utilização usual mista do automóvel. POSITIVO

Climatização
É por comando manual. Apresentou bom funcionamento em geral. São quatro as velocidades da caixa de ar e cinco as opções de direcionamento do fluxo. No painel os quatro os difusores de ar têm boa angulação e vazão. Não tem saída específica para os passageiros de trás. Apresentou-se bem vedado e a rumorosidade de funcionamento é satisfatória. As teclas do ar-condicionado e recírculo têm boa identificação dia/noite, assim como a graduação da faixa de temperatura, velocidade da caixa de ar e direção do fluxo. POSITIVO

Freios
O pedal de freio tem boa relação e sensibilidade. Apresentaram bom comportamento dinâmico no uso misto. O ABS está bem calibrado e atuou com eficiência. O freio de estacionamento atuou normal. A desaceleração é eficiente, além de balanceada nos dois eixos. A embreagem é macia, tem boa progressividade e altura de uso. POSITIVO

Câmbio
Apresentou bom funcionamento e as relações de marchas/diferencial satisfazem na dirigibilidade no uso urbano e em rodovias. A qualidade de engate é ótima, tem inibidor de marcha a ré e a rumorosidade de funcionamento do trambulador é aceitável, mas eventualmente ocorre a ré arranha. REGULAR

Motor
As curvas de potência e torque são ótimas para a cilindrada e arquitetura do cabeçote, e proporciona boa dinâmica. Com 100% de etanol é significativo o ganho no rendimento e na dirigibilidade em geral. As retomadas de velocidade e aceleração são razoáveis. Mesmo com torque máximo em alta rotação (4.800rpm) a sua performance é bem razoável em baixa. POSITIVO

Vedação
Boa contra água. POSITIVO

Nível interno de ruídos
O efeito aerodinâmico é baixo até 110km/h, passando a crescente. Os ruídos no habitáculo surgem ao trafegar sobre piso de asfalto ruim e calçamento. NEGATIVO

Suspensão
É boa a relação entre o conforto de marcha (pneus série 65) e a estabilidade. Passa bem sobre piso usual irregular, onde minimiza razoavelmente a transferência para o habitáculo. A estabilidade é boa, com ótima precisão em curvas de raios variados e com inclinação mínima da carroceria. POSITIVO

Direção
A coluna de direção tem ajuste somente em altura, com bom curso, e o volante tem boa pega. A precisão na reta e em curvas é muito boa. O diâmetro de giro é bom e a velocidade do efeito retorno agrada. A rumorosidade do conjunto é baixa. POSITIVO

Iluminação
Não tem sensor crepuscular. Há luz de cortesia no porta-malas e no porta-luvas. No teto tem pequena lanterna retangular próxima ao retrovisor com resultado discreto em iluminação para a área interna. O quadro de instrumentos tem iluminação permanente e os interruptores elétricos nos painéis de porta têm fácil identificação noturna. O grupo óptico dianteiro é com parábola simples e apresentou uma eficiência normal no baixo/alto. Os faróis auxiliares ficam no para-choque. Não tem regulagem elétrica de altura do facho em função da carga transportada. REGULAR

Estepe/ macaco
O estepe é do tipo temporário e com velocidade máxima limitada a 80km/h. Está instalado no porta- malas. A operação de troca é normal. NEGATIVO

Limpador de para-brisa
Não tem sensor de chuva. Os esguichos no para-brisa, que têm boa vazão, são do tipo spray em V, que atingem uma boa área. As palhetas apresentaram boa qualidade. No vidro traseiro, a área varrida e a eficiência do esguicho satisfazem. É fácil o acesso ao reservatório d’água instalado dentro do vão do motor. POSITIVO

Ferramentas
Há uma chave de fenda combinada com Phillips. POSITIVO

Alarme
Ao dar comando, por controle remoto inserido na chave de ignição, que é codificada para travar as portas, os quatro vidros sobem automaticamente e o sistema antiesmagamento atuou com precisão. Há proteção perimétrica das partes móveis, mas não tem a volumétrica contra a invasão do habitáculo pela quebra dos vidros. REGULAR

Volume do porta-malas

O declarado pela fabrica é de 280 litros e o encontrado na nossa medição foi de 300 litros, com o banco traseiro na posição normal e com a tampa do bagagito abaixada.

Avaliações do engenheiro Daniel Ribeiro Filho, da Tecnodan
www.danieltecnodan.wordpress.com

Ficha técnica
Motor

Dianteiro, transversal, de quatro cilindros em linha, 1.389cm³ de cilindrada, 16 válvulas, com potências máximas de 98cv (gasolina) e 106cv (etanol) a 6.000rpm e torques de 12,9kgfm (gasolina) e 13,9kgfm (etanol) a 4.800rpm

Transmissão

Tração dianteira, câmbio manual de cinco marchas

Suspensão/Rodas/Pneus
Dianteira, independente, McPherson e barra estabilizadora; traseira, eixo de torção; 5,5x15 em liga leve; 185/65 R15

Direção

Tipo pinhão e cremalheira, com assistência hidráulica

Freios
Discos ventilados na dianteira e tambores na traseira

Capacidades

Peso, 1.067kg; tanque, 54 litros; de carga (passageiros e bagagem), 422kg

Notas (0 a 10)
Desempenho 8
Espaço interno 9
Porta-malas 9
Suspensão/direção 8
Conforto/ergonomia 8
Itens de série/opcionais 10
Segurança 8
Estilo 9
Consumo 9
Tecnologia 9
Acabamento 8
Custo/benefício 9


Quanto custa
A versão LTZ do Chevrolet Onix tem preço sugerido de R$ 41.990 e não há equipamento opcional. Ela já vem com ar-condicionado, direção hidráulica, ABS, airbag duplo frontal, sisema de som multimídia, rodas de liga, entre outros.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Marco
Marco - 15 de Dezembro às 21:32
É impressionante como o acabamento da carroceria em carros brasileiros é ridículo. Portas e capô desnivelados, tampas descentralizadas... Essas montadoras brasileiras são uma VERGONHA. E esse carro merecia repetidor de seta na laterial não? Se o Classic tem, não deve ser caro. Eu pagaria o acessorio.
Encontre seu veículo
O ano inicial não pode ser maior que o ano final.
O preço inicial não pode ser maior que o preço final.

Refinar busca

Últimas notícias

ver todas
29 de junho de 2015
31 de maio de 2015
26 de maio de 2015
12 de maio de 2015
29 de abril de 2015