Honda faz mudança geral na linha CG 2014

A oitava geração da moto mais vendida no país foi completamente redesenhada, com novos farol, tanque, painel, escape e banco, incorporando também quadro mais leve

Diminuir Aumentar Imprimir Corrigir Enviar

Téo Mascarenhas - Estado de Minas

Publicação: 10/08/2013 15:07 Atualização:

 (Fotos: Honda/Divulgação)
De Indaiatuba, SP - O veículo mais vendido da história do Brasil, a Honda CG, com 10 milhões de unidades até julho, está completando 38 anos, com direito a uma plástica total, que inclui mudanças internas. A oitava geração, já como modelo 2014, chega ao mercado a partir da segunda quinzena agora composta pelos modelos CG 125 Fan KS, ES e ESD, CG 150 Fan ESDi e CG 150 Titan ESD e EX. Os seis novos modelos compartilham um redesenhado e mais compacto quadro, desenvolvido com aço mais fino e resistente e 3,8 quilos mais leve. No visual, a reforma foi de roda a roda, mas os motores foram mantidos.

A plástica geral e irrestrita começa no para-lama dianteiro, com novo desenho em dois níveis. O farol, com desenho assimétrico, agora fica em uma microcarenagem e é comum a todos os modelos da linha, estabelecendo uma espécie de identidade visual. Na mesma peça fica o novo painel, totalmente digital, embora sem marcador de combustível para os modelos 125, que também são alimentados por carburador. O tanque também é novo, com melhor encaixe para as pernas, e inclui aletas laterais, com exceção para o modelo de entrada, CG 125 Fan KS. O banco foi redesenhado e ganhou espuma mais macia, e o guidão novos comandos, com a buzina mais difícil de acionar. Setas e espelhos também foram modernizados.

CORPÃO A mudança no visual depois de cinco anos (a última geração é de 2009), além da atualização, visou conferir formas mais generosas, para identificação com modelos maiores. As tampas laterais foram totalmente redesenhadas, assim como a lanterna traseira, que, apesar da iluminação convencional, tem semelhança com LEDs. Os escapes também foram redesenhados. Nas CGs 125 são mais curtos. Nos modelos 150 também foram encurtados, porém em menor proporção. Os sapatos foram trocados. No modelo CG 125 Fan KS os pneus são da marca Levorin. Nos demais modelos, novos Pirelli City Dragon.

Para quem vai na garupa nos modelos 125, os pedais de apoio estão fixados na balança, o que significa sofrimento nas irregularidades do piso. Já nos modelos 150, a fixação é no quadro pela peça conhecida como “bacalhau”, eliminando a trepidação. Tudo em nome da redução de custos, que também eliminou o lampejador de farol e o corta-corrente. Por outro lado, a redução de peso e os novos pneus melhoraram levemente o consumo, aumentando a autonomia. Toda a linha 150 agora tem freio a disco na dianteira, assim como o modelo Fan 125 ESD. Nestes modelos, o circuito ficou propositalmente mais “borrachudo”, para ficar mais amigável, sem perder a eficiência, que até aumentou em razão do menor peso.

 

ANDANDO Os motores são os mesmos da geração anterior. Na linha 125 tem 124,7cm³ de cilindrada, alimentação por carburador, gerando 11,6cv a 8.250rpm e um torque de 1,06kgfm a 6.000 rpm, e na linha 150 tem 149,2cm³ de cilindrada, injeção eletrônica, comando com balancins roletados, que fornecem 14,2cv a 8.500rpm e torque de 1,32kgfm a 6.500rpm, além de tecnologia flex. Motores conhecidos e confiáveis, mas não fazem milagre. As restrições ambientais limitam o desempenho via catalisador no escape, mas funcionam redondo. Especialmente os 150, que apresentam baixíssimo índice de vibração. O que agradou foi a ergonomia, mais confortável, e as suspensões da linha 150cm³, cinco milímetros maiores.

A oitava geração traz modificações de estilo significativas em relação ao modelo lançado em 1976
A oitava geração traz modificações de estilo significativas em relação ao modelo lançado em 1976
Com maior curso, dá para encarar melhor as crateras do dia a dia. Também na linha 150 os freios dianteiros a disco (na traseira permanece o antiquado tambor) ficaram menos ariscos, possibilitando uma modulação mais forte do manete. O modelo de entrada, CG 125 Fan KS (freios a tambor e partida a pedal), tem preço sugerido de R$ 5.490. O modelo CG 125 Fan ES (freios a tambor e partida elétrica), R$ 6.100. O modelo CG 125 Fan ESD (freio dianteiro a disco e partida elétrica), R$ 6.250. O modelo CG 150 Fan ESDi (partida elétrica, freio dianteiro a disco e injeção eletrônica), com previsão de ser o mais vendido, R$ 6.750. O modelo CG 150 Titan ESD (partida elétrica, freio dianteiro a disco, injeção e detalhes de acabamento), R$ 7.320. O modelo top, CG 150 Titan EX, tem os equipamentos anteriores e rodas de liga leve e custa R$ 7.830. Todos sem frete e seguro.
 

Tags:

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro, Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »


ofertas em destaque