Renault Sandero Expression 1.0 16V Flex - Fôlego no limite Renault Sandero 1.0 tem desempenho razoável desde que se mantenha elevada a rotação do motor e as marchas sejam trocadas na faixa ideal de torque, com álcool ou gasolina

Paulo Eduardo - Estado de Minas

Publicação: 26/07/2008 11:45 Atualização:

 (Fotos: Marlos Ney Vidal/EM/D.A Press - 30/06/08)
Enganam-se os que pensam que modelos equipados com motor 1.0 sejam espécie em extinção. Em que pesem os problemas de desempenho, principalmente para os modelos que pesam mais de uma tonelada, caso do Sandero. Mesmo assim, esse hatch de motor de cilindrada pequena não faz feio com cinco adultos, bagagem e, às vezes, ar-condicionado ligado. O motorista tem que estar atento o tempo todo e não deixar a rotação ficar muito abaixo da faixa ideal de torque para que o motor responda razoavelmente. E nem ter dó de pisar fundo no acelerador.

Veja mais fotos do Sandero!

O conjunto motor e transmissão é barulhento em alta e os ruídos invadem o habitáculo. Incomoda. Entre as segunda e terceira marchas, há um vazio, popularmente chamado de buraco. Isso ocorre quando na troca de marchas há queda brusca de rotação. Por isso, no Sandero 1.0 é conveniente manter sempre a rotação elevada para otimizar o desempenho. O consumo é baixo e quase não há diferença de desempenho entre álcool e gasolina. Os engates do câmbio são macios e precisos.

Espaço
Um dos apelos do Sandero é o habitáculo generoso para cinco adultos, principalmente em largura e altura. Como a distância entre-eixos é menor em relação ao Logan, carro que lhe deu origem, o espaço para pernas também. O porta-malas é o maior da categoria. Inconveniente é que, para aumentar a capacidade de carga, o estepe fica sob o porta-malas. Um transtorno na hora da troca (ver avaliação técnica no Veja Também). O acabamento é simples e os comandos de vidros estão mal posicionados no painel central. A ergonomia precisa evoluir.

Suspensão
Um dos destaques do Sandero é a calibragem da suspensão, com rodar macio em todos os tipos de piso e ótimo comportamento dinâmico. Curvas são contornadas sem sustos. O sistema absorve as imperfeições do piso, evitando transferência para o interior. Isso garante dirigibilidade tranqüila e segurança. A carga do sistema de assistência hidráulica da direção está bem calibrada, mas falta regulagem da coluna em altura e distância.
Linhas da traseira agradam bastante com lanternas bem dimensionadas e pára-choque na cor do carro
Linhas da traseira agradam bastante com lanternas bem dimensionadas e pára-choque na cor do carro

Segurança
No banco traseiro, faltam apoio de cabeça e cinto de três pontos retrátil centrais. Airbags frontais estão na lista de equipamentos opcionais e ABS não é disponível nessa versão, apenas na Privilège 1.6. A lentidão do limpador de pára-brisa, mesmo na velocidade máxima, deveria ser revista pelo fabricante por causa da segurança. É preciso mais rapidez.

Estilo
As linhas são modernas e agradam, com os faróis grandes invadindo capô e pára-lamas. As lanternas traseiras, bem dimensionadas, completam o conjunto. O carro tem muitos acertos e pequenas mancadas, que podem ser facilmente corrigidas.

Leia a avaliação técnica, a lista de equipamentos, o preço, a ficha técnica, os testes do Sandero 1.6 8V Hi-Torque flex e 1.6 16V Hi-Flex e o comparativo entre o Sandero e o Fox no Veja Também, no canto superior direito desta página.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro, Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »


ofertas em destaque