Palio 1.8R flex - O nervoso da família Devido ao sucesso, Fiat decidiu manter versão esportiva. Desempenho e visual novo agradam, mas consumo é muito elevado

Eduardo Aquino - Estado de Minas

Publicação: 29/05/2007 23:17 Atualização:

Traje esporte inclui faróis com máscara negra, adesivos nas laterais e aerofólio (Fotos: Marlos Ney Vidal/EM - 24/5/07)
Traje esporte inclui faróis com máscara negra, adesivos nas laterais e aerofólio
A Fiat havia abandonado suas apostas no segmento dos esportivos compactos depois do lançamento da versão Turbo do Uno, em 1994. Mas resolveu retomar sua participação nesse nicho na terceira geração do Palio, lançando, em 2005, uma versão apimentada, inspirada num passado bem mais distante: no Uno 1.5R, que estreou em 1987, e no seu sucessor, o 1.6R, que deu continuidade à família em 1989. Baseada no sucesso do relançamento - em 2006 foram vendidas 2.630 unidades, e, de janeiro a abril deste ano, 748 -, a Fiat resolveu não apenas manter a versão 1.8R na geração quatro, mas vendê-la também com carroceria de duas portas.

Moderno
As linhas da quarta geração do Palio foram criadas em conjunto pelos centros de estilos da Itália e do Brasil, e deram aspecto mais moderno ao compacto. A frente incorpora o V (bastante em moda atualmente), formado pelos fortes vincos, que começam no capô, passam por grade e faróis e vão até a tomada de ar inferior. A versão 1.8R tem a mesma grade e tomada de ar com contornos cromados da ELX. A principal diferença são os faróis com "máscara negra", que, na nova geração, ficaram mais espichados, entrando bem mais nos pára-lamas, e adotaram parábola simples, em vez de dupla. A Fiat alega que melhorou o foco para compensar a perda de luminosidade, mas os antigos eram mais eficientes. O pára-choque também é totalmente novo e mais integrado ao conjunto.
Na traseira, destacam-se as lanternas fumês, a faixa adesiva na tampa do porta-malas e o aerofólio
Na traseira, destacam-se as lanternas fumês, a faixa adesiva na tampa do porta-malas e o aerofólio

Adesivo
O novo Palio também mudou bastante de perfil, ficando com aspecto mais robusto e esportivo: novos vincos, que atravessam pára-lamas e portas; caixas de roda com aberturas mais pronunciadas; e minissaias mais estilizadas e pintadas na cor da carroceria. São exclusivos do 1.8R os adesivos, mais discretos que os da versão anterior; protetores na soleiras das portas; rodas de liga leve, com desenho exclusivo; e retrovisores externos e coluna central, em cinza Kiron. Mas as linhas da traseira ficaram no 'lugar-comum' e destoam bastante da modernidade do resto do conjunto. As lanternas ficaram mais horizontalizadas, incorporaram elementos circulares e, nessa versão esportiva, têm lentes fumê. Aerofólio na cor cinza e faixa horizontal na tampa do porta-malas completam os itens externos exclusivos do 1.8R.

Por dentro Ao contrário do que ocorreu por fora, as mudanças no habitáculo da família Palio foram mais tímidas: o painel, por exemplo, é praticamente o mesmo, exceto os instrumentos. Nessa versão esportiva, todos os mostradores são analógicos (na ELX, o marcador de combustível é digital), com grafismos mais legíveis. No 1.8R, o vermelho continua nos cintos de segurança, no tecido dos bancos e na coifa da alavanca de marchas, e agora está presente também nas costuras do volante. Mas, como as mudanças não alteraram a medida entre-eixos, o espaço interno do Palio continua ruim, principalmente para quem senta no banco traseiro. O porta-malas ganhou nova cobertura e redes para pequenos objetos, bastante úteis em compras. Quanto a equipamentos, a versão esportiva tem lista de série bem completa e muita oferta de opcionais.

Acelerando
O desempenho do motor 1.8 8V flex tem bom fôlego (e ronco esportivo), tanto em alta quanto em baixas rotações, com álcool ou gasolina. Quem curte aquelas arrancadas fortes no semáforo vai adorar. O carro também oferece boas retomadas de velocidade, que ajudam a driblar o trânsito congestionado e permitem ultrapassagens bem seguras. As relações do câmbio estão bem adequadas mas falta precisão nos engates. Mas toda essa disposição tem um preço alto: o consumo chega a assustar, registrando 4,8km/l (no computador de bordo) na cidade, com apenas álcool no tanque. A suspensão acompanha o ritmo esportivo, garantindo segurança em qualquer situação. Mas o conforto foi um pouco sacrificado. Embora a Fiat alegue que tenha adotado novas forrações, o nível de ruídos continua elevado, principalmente num carro que custa mais de R$ 40 mil.

Leia mais e assista ao teste do Palio R no "Veja Também", no canto superior direito desta página.

Esta matéria tem: (0) comentários

Não existem comentários ainda

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro, Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »


ofertas em destaque